sábado, setembro 12, 2009

FÓRMULA 1 GP DA ITÁLIA

DADOS TÉCNICOS:

Extensão: 5793 metros
Distância: 53 voltas = 306,720 km
Tipo de Asfalto: Liso
Desgaste dos Freios: Alto
Desgaste dos Pneus: Médio
Ponto Crítico: A curva Parabólica, de raio longo, que fecha a volta antes da grande reta. Após uma freada forte, ela é percorrida quase em aceleração plena, com a velocidade sendo controlada nas mudanças de marcha.
Perfil: Um templo do esporte a motor, o autódromo de Monza foi inaugurado na década de 1920, sendo palco, desde então, de muitas corridas e histórias memoráveis. Nos anos cinqüenta, a construção de um circuito oval complementar ao traçado de alta velocidade tornou a pista italiana ainda mais ameaçadora para os pilotos. Hoje este trecho está aposentado, mas o traçado cheio de retas longas e curvas de alta que recebe a Fórmula 1 desde a primeira temporada ainda sobrevive. Com o tempo, ele foi ganhando algumas variantes para amenizar as médias de volta assustadoras atingidas nos anos setenta. Por ser também o palco onde a Ferrari corre em casa, Monza recebe a fanática torcida italiana – os chamados “tiffosi” – que colorem as arquibancadas e invadem a pista ao final de cada evento, seja qual for a categoria. O traçado não tem muito mistério, exigindo mesmo resistência e potência dos carros.
Em nenhuma outra pista do calendário o acelerador é tão utilizado. Ao longo dos quase 5800 metros de cada volta, são poucos os trechos nos quais os pilotos aliviam a velocidade. Justamente por causa disso, um bom perfil aerodinâmico faz diferença, ajudando na aderência do carro e no aproveitamento da potência dos motores. Estes, por sinal, também precisam aguentar o alto grau de exigência a que são submetidos, já que trabalham em giros altos nas diversas retas do circuito italiano.

Como foi em 2008:
Antes daquela corrida, o mundo já admirava o talento do jovem Sebastian Vettel. Mas a atuação do alemão no GP da Itália de 2008 abriu os olhos dos que procuravam um potencial campeão. Em sua 22ª participação na Fórmula 1™, Vettel levou o carro da modesta Toro Rosso (antiga Minardi) à pole position. Depois, com uma tocada segura e constante ao longo da prova, construiu uma vantagem segura para a McLaren de Heikki Kovalainen. O terceiro lugar ficou com Robert Kubica, que partira em 11º com a BMW. Em meio à chuva, a esperança dos brasileiros foi por água abaixo: Felipe Massa terminou em 6º, Nelsinho Piquet em 10º e Rubens Barrichello, em 17º.

GRID DE LARGADA PARA ESTE DOMINGO(13):
  1. L HAMILTON - McLAREN
  2. A SUTIL - FORCE INDIA
  3. K RAIKKONEN - FERRARI
  4. H KOVALAINEN - McLAREN
  5. R BARRICHELLO - BRAWN
  6. J BUTTON - BRAWN
  7. V LIUZI -FORCE INDIA
  8. F ALONSO - RENAULT
  9. S VETTEL - RBR
  10. M WEBBER - RBR

Volta virtual no Circuito de Monza:


video