segunda-feira, setembro 27, 2010

NASCAR - SPRINT CUP DOVER

JIMMIE JOHNSON VENCE A PROVA DE DOVER NO DOMINGO(26) E EMBOLA A DISPUTA PELO TÍTULO DO CHASE.

A disputa pelo Chase ficou interessante. Jimmie Johnson foi o vencedor da prova de Dover e diminuiu a diferença em relação a Denny Hamlin para apenas 35 pontos. Além disso, até o sétimo colocado a diferença de pontos é de menos de 80 pontos, deixando tudo em aberto para as próximas provas.

Jimmie Johnson começou a prova na frente e liderou as primeiras voltas, até ser superado pelo surpreendente AJ Allmendiger, levando o histórico número 43 a primeira posição na pista depois de muito tempo. A primeira bandeira amarela surgiu na volta 39 e fez todo mundo ir para o pit. Johnson perdeu muito tempo nos pits e foi para 5° posição. Na relargada, Allmendiger se manteve na frente seguido de Martin Truex Jr. Na parte de trás, os pilotos do Chase brigavam entre si.

Na volta 50, nova amarela pelo contato de David Reutimann após toque de Ryan Newman. Bandeira amarela acenada e AJ continuava na frente. Após a bandeira verde, quem começou a subir foi Juan Pablo Montoya, que se encontrava na 3° posição na volta 61. Após um longo trecho em bandeira verde, todo mundo teve que parar no pit na altura da volta 120 a 125, o que não causou grandes mudanças na classificação. Quem subiu na classificação neste momento foi Kyle Busch, que chegou a 5° posição, enquanto seu irmão Kurt mantinha a 4° posição. Na frente, os mesmos de sempre. Allmendinger, Truex Jr. e Johnson.

A partir da volta 160, Jimmie Johnson voltou a acelerar e passou Truex Jr. Ao mesmo tempo, Allmendinger perdia rendimento e começava a lutar com o carro para evitar maiores problemas. Porém, na volta 170 o piloto da RPM decide entrar nos pits e antecipar a parada. Na volta 186, vários pilotos começaram a parar. Matt Kenseth, que vinha subindo na classificação, errou a entrada dos pits e por conta da forte frenagem feita, seu pneu explodiu e causou a bandeira amarela. Os outros pilotos foram para os pits e fizeram suas paradas. Na volta a ordem era Johnson, Truex Jr., Kyle Busch, Jeff Gordon e Denny Hamlin. Kurt Busch estava neste grupo, mas acabou indo para trás do pelotão por exceder o limite de velocidade.

Perto da metade da prova, nova bandeira verde é mostrada. Os carros do Chase começam a dominar as primeiras posições, exceto Clint Bowyer e Tony Stewart, que andavam cada vez mais para trás e perdiam qualquer chance no Chase. Situação facilitada pela quebra de Martin Truex Jr do seu eixo no giro 208, após uma entrada prematura nos pits para arrumar os pneus mal colocados durante a parada anterior. O longo trecho em bandeira verde novamente fez bem para Joey Logano e Carl Edwards, que começaram a subir e na volta 255 eram 3° e 4° respectivamente. Na volta 268, começou novamente nova rodada de paradas em bandeira verde e nada se alterou nos primeiros lugares. Na volta 287 Carl Edwards passou Logano e assumiu a 3° posição. Logo em seguida veio uma amarela por detritos na pista.

Como sempre, as equipes aproveitam para entrar nos pits. E nesta disputa quem se deu bem foi Kyle Busch, que conseguiu conquistar a posição de Jimmie Johnson. Na relargada, Kyle Busch simplesmente sumiu na frente enquanto JJ era pressionado por Joey Logano faltando 105 voltas para o fim da prova. Johnson acabou ficando atrás de Logano por longas 16 voltas, tempo suficiente para Kyle sumir na frente. Mesmo assim, Johnson foi com tudo e faltando 61 voltas passou Busch novamente pela liderança. Após 5 voltas, foi a vez de Jeff Burton voltar forte e passar Kyle Busch. Faltando 40 para o final, os pilotos entraram para a última parada. Sem nenhum problema na sua parada, Jimmie Johnson continuou na primeira posição e manteve tranquilamente o primeiro lugar até a linha de chegada.


Os quatro pilotos que estão na briga direta pelo chase são:


  1. Denny Hamlin - 5368


  2. Jimmie Johnson - # -35


  3. Kyle Busch - # -45


  4. Kurt Busch - # -59


A próxima prova será em Kansas no dia 03 de Outubro.


Fonte (NascarBrasil)

NASCAR - NATIONWIDE SERIES DOVER

KYLE BUSCH VENÇE MAIS UMA COM DOMÍNIO ABSOLUTO NA PISTA DE DOVER NESTE SÁBADO(25).




Não tem jeito. Quando Kyle Busch entra em um carro da Nationwide Series, é muito provável que a vitória já tenha um dono. E não foi diferente em Dover. Kyle Busch liderou 193 das 200 voltas, em um domínio absolutamente soberbo, sem deixar ser pressionado em nenhum momento, nem por Joey Logano, nem por Carl Edwards.

A prova teve poucos momentos de emoção e apenas 4 bandeiras amarelas. Duas delas chamaram atenção pelos pilotos envolvidos. A primeira delas foi de Danica Patrick, que tinha corrido neste mesmo oval a prova da K&N East Series no dia anterior. Mesmo com a experiência adquirida um dia antes, Danica fez um papelão na prova. Já tinha tomado duas voltas antes do 60° giro, quando teve um problema no pneu dianteiro, parando no muro e causando a primeira bandeira amarela da prova. Voltou apenas no fim da corrida, mas só para fazer figuração. Terminou na 35° posição.

O outro momento foi o fortíssimo acidente entre os pilotos Elliott Sadler, no carro 88 da equipe de Dale Earnhardt Jr., e o piloto do carro 27 Drew Herring. Sadler disputava posição nas curvas 3 e 4 contra Eric Darnell, quando acabou perdendo a traseira e deslizou até encostar na safe-barrier. O problema veio depois, já que os outros carros estavam vindo em alta velocidade e o carro de Sadler começou a deslizar para o meio da pista. Foi ai que Herring veio e acertou a frente de Sadler violentamente, fazendo com que a Nascar chamasse uma bandeira vermelha por conta dos detritos na pista. O vídeo do acidente você pode ver no post abaixo.

Com esta vitória de Kyle Busch, o carro número 18 encosta na classificação de carros contra o carro 22 de Brad Keselowski, que cheio de problemas durante a prova, terminou apenas na 17° posição. Entretanto, no campeonato, Keselowski ainda mantem larga vantagem sobre Carl Edwards.
Fonte(NascarBrasil)

FÓRMULA 1 - GP DE CINGAPURA

FERNANDO ALONSO DA A ARRANCADA FINAL NA BRIGA PELO TÍTULO DO CAMPEONATO. APÓS VENCER O GP DE CINGAPURA NESTE DOMINGO(26), O ASTURIANO DA FERRARI ASSUME A VICE-LIDERANÇA DO MUNDIAL.

Fernando Alonso entrou de vez na briga pelo tricampeonato. O piloto da Ferrari não só liderou o GP de Cingapura de ponta a ponta, mas segurou a constante pressão de Sebastian Vettel e rumou para a vitória, a sua quarta na temporada. De quebra, o asturiano assumiu a vice-liderança do Mundial. O alemão da Red Bull cruzou a linha de chegada em segundo, e Mark Webber completou a prova em Marina Bay na terceira posição, mantendo a ponta do campeonato, agora com 202 pontos.

Jenson Button pressionou o australiano até o final, mas terminou a corrida em quarto. Bem mais atrás, a 19s do britânico, chegou Nico Rosberg, que não foi ameaçado por Rubens Barrichello, que conquistou um bom sexto lugar em Marina Bay. Robert Kubica alcançou o sétimo posto após se recuperar do problema sofrido por causa de um pneu furado no meio da prova.
Felipe Massa fez uma corrida de recuperação após largar na última posição devido a problemas no cambio, chegou na 10ª posição mas ganhou mais duas posições de Sutil e Hülkengerg que foram punidos. Michael Schumacher, mais uma vez, teve um desempenho muito ruim e chegou em 13º. Lucas Di Grassi conquistou a 15ª colocação, enquanto Bruno Senna, que foi sempre inferior ao companheiro de equipe e estreante na Hispania, Christian Klien, abandonou após bater no carro de Kamui Kobayashi na curva 18.

Faltando quatro corridas para o final do campeonato os quatro pilotos que brigam pelo título são:



  1. Mark Webber RBR - 202 pts

  2. Fernando Alonso FERRARI - 191 pts

  3. Lewis Hamilton McLaren - 182 pts

  4. Sebastian Wettel RBR- 181 pts
A próxima prova será o GP do Japão no circuíto de Suzuka no dia 10 de Outubro.

Fonte(GP)

sábado, setembro 25, 2010

FÓRMULA 1 - GP DE CINGAPURA

SE DEPENDESSE DO PALPITE DO GALVÃO BUENO O GRID DE LARGADA SERIA DIFERENTE, MAS MAIS UMA VEZ A VERDADE SE CONCRETIZOU. ALONSO APESAR DAS DIFICULDADES NO Q3 CONSEGUIU UMA ÓTIMA VOLTA E VAI LARGAR NA PRIMEIRA POSIÇÃO NUMA PISTA ONDE AS ULTRAPASSAGENS SÃO QUASE IMPOSSÍVEIS, FELIPE MASSA COM PROBLEMAS NO CAMBIO VAI LARGAR NA ÚLTIMA POSIÇÃO.

No treino que vale, Fernando Alonso superou o favoritismo de Sebastian Vettel e cravou a pole-position do GP de Cingapura, neste sábado (25). O espanhol registrou 1min45s390, que também foi o melhor tempo do fim de semana. Vettel vai dividir a primeira fila com o piloto da Ferrari. Felipe Massa sofreu com problemas em seu carro durante o Q1, ficou parado na pista e vai largar em último.
A segunda fila será toda composta pelos carros da McLaren. No duelo interno da equipe de Woking, Lewis Hamilton superou Jenson Button pela 10ª vez na temporada e vai largar na terceira posição, ao lado do compatriota. Mark Webber, que em momento algum ficou perto da pole, começará a prova em quinto, à frente de Rubens Barrichello.

Lucas Di Grassi garantiu o 20º posto do grid de largada em Marina Bay. O novato da Virgin vai iniciar a prova duas posições atrás de seu companheiro de equipe, Timo Glock. Mais atrás, Bruno Senna perdeu a disputa na Hispania para Christian Klien, que estava afastado da F1 desde 2006. Bruno vai largar em 23º.

Q1 liderado por Alonso — Embora o calor seja uma tônica em Cingapura, a pista ainda permanecia úmida em alguns trechos, tudo decorrência da chuva que veio à tarde. Schumacher foi o primeiro a escapar, na chicane da curva 10.

Com vários pilotos ao mesmo tempo na pista, o primeiro piloto a estabelecer um bom tempo foi Button, que bateu a marca estabelecida por Hamilton segundos atrás. Entre os pilotos da McLaren, se posicionaram Vettel, em segundo, e Schumacher na sequência.

A sessão foi marcada pela alternância de vários pilotos na liderança. Além de Button e Hamilton, Alonso e Vettel, tido como o grande favorito à pole, assumiram a ponta durante a primeira parte da classificação.

Massa tinha acabado de sair dos boxes. Poucos metros após o brasileiro ter aberto sua volta rápida, seu carro ficou parado na pista em posição perigosa, aparentemente com problemas no motor. Treino interrompido com bandeira vermelha, e fim de classificação para o piloto da Ferrari, que vai largar em último. Felipe saiu do carro, evidentemente, decepcionado.

O treino foi restabelecido cinco minutos depois. Hülkenberg foi o primeiro a ir à pista após a bandeira verde em Marina Bay, seguido por Barrichello, Alonso e Sutil. Vettel continuava soberano na liderança durante a noite de Cingapura.

Alonso assumiu a ponta da primeira parte da classificação tendo como tempo 1min46s541, 0s4 mais rápido que Vettel. Mark Webber alcançou a terceira posição, a 0s1 de seu companheiro de Red Bull.
Além de Massa, os pilotos eliminados no Q1 foram os mesmos de quase sempre, os representantes das equipes novatas. Timo Glock foi o melhor posicionado, em 18º. Na sequência vieram Kovalainen, Di Grassi, Trulli, Klien e Senna. As colocações provam a evolução da Virgin no ano. A diferença entre os tempos Glock e o do finlandês da Lotus foi de quase 0s2.

Q2 de Vettel — Enquanto Massa era focalizado pela televisão com cara de poucos amigos, os 17 pilotos que avançaram ao Q2 buscavam uma vaga entre os dez primeiros. Todos os competidores foram à pista para tentar estabelecer volta rápida. Pouco antes de rodar e bater no muro, Vitaly Petrov marcou o melhor tempo, mas logo foi batido por Jaime Alguersuari e Kubica, que foi o primeiro na sessão a andar abaixo de 1min46s.

Mas Vettel, sempre ele, destruiu o tempo do polonês da Renault e se aproximou ainda mais do recorde de volta de Nico Rosberg — 1min46s197, registrado ano passado, quando ainda corrida pela Williams equipada com motor Toyota. O tempo do piloto da Red Bull — 1min46s485 —, no entanto, foi batido facilmente por Hamilton, que cravou o novo recorde de Marina Bay.

A menos de três minutos para o fim do treino, todos os competidores do Q2 foram à pista para tentar uma vaga entre os dez postulantes à pole. Destaque para Alonso, que solicitou à Ferrari ajustes no motor e pulou para a primeira posição com 1min45s809. Mas Vettel, fácil, foi cerca de 0s3 mais rápido que o asturiano. Webber, com desempenho discreto até então, cravou o terceiro melhor tempo.

Ficaram de fora da luta pela pole-position em Cingapura, pela ordem, Alguersuari, Hülkenberg, Petrov, Sébastien Buemi, Nick Heidfeld — que volta à F1 neste fim de semana —, além da dupla da Force India, Sutil e Liuzzi.

Pole vermelha em Marina Bay - Button foi o primeiro a abrir volta rápida no Q3. Mas Alonso tomou a ponta ao estabelecer o melhor tempo de todo o fim de semana — 1min45s390. Surpreendentemente até então, Vettel estava na sétima posição, quando faltavam menos de três minutos para o fim da classificação.
Os dois minutos finais foram intensos, com todos os pilotos na pista. Vettel, com o erro cometido na primeira tentativa, tinha apenas uma chance para confirmar o domínio da Red Bull e faturar a pole em Cingapura. Mas contrariando todo o favoritismo exibido, tanto nos treinos de sexta-feira (24) quando o deste sábado pela manhã, o germânico não conseguiu desbancar o tempo de Alonso, que garantiu sua segunda pole no ano, a 20ª na carreira.
Fonte (GP)

quarta-feira, setembro 22, 2010

STOCK CAR - POLÊMICA... PARTE 4

CORRIDA DO MILHÃO PARCELADO!
A GOODYEAR PATROCINADORA OFICIAL DA CORRIDA DO MILHÃO EDIÇÃO 2010 EM INTERLAGOS, PROPÔS PAGAR SOMENTE R$500 MIL A EQUIPE DE RICARDO MAURICIO A RC, O RESTO SERIA ABATIDO DE FUTURAS COMPRAS DE PNEUS.
ISSO CAUSOU INDIGNAÇÃO POR PARTE DE RICARDO MAURICIO E O CHEFE DA EQUIPE ROSINEI CAMPOS, NINGUÉM ACEITOU, ATÉ A EUROFARMA SE MANIFESTOU, SÓ QUE PAREÇE NÃO TER VOLTA SEGUNDO INFORMAÇÕES. A NOTÍCIA FOI POSTADA NO BLOG VICTAL DO SITE GP POR VICTOR MARTINS NESTA QUARTA(22).
FRANCAMENTE, QUEREM MESMO ACABAR COM O AUTOMOBILISMO NO BRASIL!

terça-feira, setembro 21, 2010

STOCK CAR - POLÊMICA PARTE 3

EM NOTA DIVULGADA NA SEGUNDA(20), A EQUIPE RED BULL DISSE QUE VAI OUVIR A CBA SOBRE A DESCLASSIFICAÇÃO DE SEUS PILOTOS NA PROVA DE CAMPO GRANDE E QUE VAI REAVALIAR A SUA PRESENÇA NA STOCK CAR PARA 2011.A Red Bull informou no fim da tarde desta segunda-feira (20) que vai reavaliar sua presença na Stock Car depois da desclassificação de seus dois carros na corrida de domingo em Campo Grande — um deles do pole e vencedor Daniel Serra. A punição, aplicada pelos comissários e pelo presidente do CTDN, Nestor Valduga, já gerou uma desistência: a Sky, parceira da equipe, vai deixar a categoria no fim da temporada.
Serra e Cacá Bueno, além de Xandinho Negrão — piloto da A.Mattheis, equipe irmã da Red Bull — e Ricardo Zonta — da RZ Corinthians — foram eliminados da corrida no Mato Grosso do Sul porque deram "informações enganosas" por não terem chegado aos boxes com seus carros após a linha de chegada. No entanto, o regulamento esportivo da Stock Car, chancelado pela CBA e pelo Conselho Técnico Desportivo Nacional, no terceiro parágrafo do artigo 71, diz apenas que "todo carro classificado que não possa chegar ao Parque Fechado por seus próprios meios, [sic] será conduzido pelo resgate até o mesmo", sem que haja cobrança de explicações caso o piloto não o faça.
Assim mesmo, a direção de prova pediu explanações para as equipes. Em todos os casos, a alegação foi de que houve uma falha na alimentação do combustível — o mais expressivo no caso de Zonta, que perdeu posições no fim da corrida. Segundo a Red Bull, os comissários foram averiguar se havia o problema relatado — com o carro parado. Como não encontraram a tal falha, concluíram que houve má-fé.
No comunicado emitido, a Red Bull mostrou "veemente discordância" com as punições a Serra e Cacá — que foi oitavo na bandeirada. "A Red Bull tem o esporte a motor no seu DNA, estando envolvida nas principais categorias de automobilismo do mundo. Atualmente é proprietária de duas equipes de F1 e uma equipe na Nascar norte-americana, além de ser a parceira principal de equipes de ponta no DTM, mundial de rali WRC e rali Dakar, entre outros campeonatos. Em todas essas categorias, a credibilidade e a legitimidade das ações da empresa e de suas equipes jamais foram questionadas", disse a equipe.

A Red Bull ainda comunicou que "entrará em contato com as autoridades competentes da CBA buscando esclarecer o episódio" e que, "caso necessário, encaminhará recurso ao Tribunal da entidade pleiteando a reversão das punições aos seus pilotos". Então, a empresa afirmou que vai "reavaliar seus planos para 2011 dentro do automobilismo nacional".

No fim da nota, a RBR revelou que a parceira Sky, da área de comunicações, decidiu se retirar da Stock Car no fim desta temporada.

Fonte (GP)

STOCK CAR - POLÊMICA PARTE 2

JOGO DE EQUIPE OU JOGO DE FAMÍLIA?

NA F1 HOUVE JOGO DE EQUIPE, QUANDO FELIPE MASSA DEIXOU FERNANDO ALONSO PASSAR NO GP DA ALEMANHA. NO ÚLTIMO DOMINGO(19), CACÁ BUENO DA RBR AJUDOU SEU IRMÃO POPÓ DA A. MATTHEIS A GARANTIR VAGA NO PLAYOFF CAUSANDO A GRANDE POLÊMICA E TRAZENDO A TONA A VELHA PERGUNTA: ATÉ ONDE O JOGO DE EQUIPE PODE INTERFERIR NO RESULTADO DE UMA PROVA E DE UM CAMPEONATO DE AUTOMOBILISMO?

O resultado final da etapa de Campo Grande da Stock Car, que definiu os dez pilotos do playoff, ainda repercute. Depois da desclassificação de cinco pilotos da corrida de domingo – entre eles, o vencedor, Daniel Serra –, a nova polêmica diz respeito ao provável jogo de equipe entre pilotos da Red Bull e da A.Mattheis.
Os pilotos em questão, inclusive, são mais que companheiros de equipe. Trata-se dos irmãos Cacá e Popó Bueno. O 'Globo Esporte' desta segunda-feira (20) mostrou trechos de conversas entre Cacá e Andreas Mattheis, chefe das duas equipes, que indicam o jogo de equipe.
Em um determinado momento, o piloto da Red Bull, então em quinto na corrida, pergunta se o irmão estaria no playoff se o ultrapassasse. “Se o Popó me passar, ele tá no playoff, então?”, questiona Cacá. Mattheis confirma na sequência. “Confirmado. Se o Popó chegar em quinto, ele está no playoff.”
Em seguida, Popó conseguiu superar o irmão, enquanto Cacá passou a ser seu escudeiro, segurando Átila Abreu. Mais à frente, Cacá volta a falar com Mattheis, perguntando “quantas voltas faltam”. Como resposta, ouve “oito voltas”. “Popó tem que apertar um pouco o ritmo”, conclui o representante da Red Bull.
No fim, Popó precisou das próprias forças para superar Ricardo Zonta e assegurar a vaga. E a ultrapassagem veio na última volta. Com o quinto lugar – que virou quarto com a punição de Serra –, o piloto se manteve vivo na disputa pelo título.
O prejudicado da história acabou sendo Thiago Camilo, que perdeu o lugar para Popó no playoff. Depois da corrida, o paulista não poupou críticas à atitude de Cacá. “Por várias vezes ele se julga tão profissional, e por essas atitudes é que a gente vê, vê que as coisas não são bem assim”, disse o piloto antes de ser desclassificado da prova por falta de combustível no carro.


Nesta terça-feira(21), a Confederação Brasileira de Automobilismo decidiu investigar a manobra entre Cacá e Popó Bueno na etapa de Campo Grande da Stock Car, disputada no domingo (19).

Embora Cacá corra pela Red Bull e Popó defenda a A.Mattheis, ambas são chefiadas por Andreas. Mais que isso, a CBA quer analisar um possível favorecimento de Cacá ao irmão Popó durante a prova.
“Na torre de controle, não temos o áudio da corrida, e só tivemos acesso a esse acontecimento hoje (segunda-feira)”, declarou o presidente do Conselho Técnico Desportivo Nacional (CTND) ao jornal ‘O Globo’. “Nós vamos analisar o caso e tomaremos as medidas cabíveis”, acrescentou.


Vejam o vídeo divulgado no Glogo Esporte:

video

STOCK CAR - POLÊMICA PARTE 1

REVIRAVOLTA NO RESULTADO DA ÚLTIMA PROVA DA STOCK EM CAMPO GRANDE NO DOMINGO(19). DANIEL SERRA, CACÁ BUENO, XANDINHO NEGRÃO E RICARDO ZONTA FORAM DESCLASSIFICADOS PELA DIREÇÃO DE PROVA POR TEREM FORNECIDO INFORMAÇÕES ERRADAS. THIAGO CAMILO TAMBÉM FOI DESCLASSIFICADO MAS POR FALTA DE COMBUSTÍVEL, COM ISSO A VITÓRIA ACABOU FICANDO COM NONÔ FIGUEIREDO.


A vitória de Daniel Serra na etapa de Campo Grande durou até o fim da tarde. O piloto da Red Bull foi desclassificado da corrida deste domingo (19) por ter fornecido informações erradas à direção de prova, alegando problemas técnicos para não chegar ao parque fechado por conta própria.

Além de Daniel, Cacá Bueno, Xandinho Negrão e Ricardo Zonta foram punidos pelo mesmo motivo. Thiago Camilo também foi desclassificado, mas por ter terminado a corrida sem os três litros de combustível obrigatórios no tanque.
Com isso, Nonô Figueiredo herdou a vitória, com Marcos Gomes e Ricardo Maurício na sequência. Popó Bueno, David Muffato, Luciano Burti, Antonio Pizzonia, Allam Khodair, Rodrigo Sperafico e Alan Hellmeister completaram os dez primeiros.

Fonte(GP)

domingo, setembro 19, 2010

STOCK CAR - CAMPO GRANDE MS

DANIEL SERRA VENCE A ÚLTIMA PROVA ANTES DO PLAYOFF NO AUTÓDROMO DE CAMPO GRANDE.

Daniel Serra fez valer a pole-position e dominou a etapa de Campo Grande da Stock Car, a última antes do playoff, disputada neste domingo (19). O piloto da Red Bull só perdeu a ponta da corrida na hora do pit-stop, mas conseguiu recuperar a liderança quando as posições foram restabelecidas.

Nonô Figueiredo levou vantagem sobre Marcos Gomes na parada e cruzou em segundo, enquanto o paulista da Full Time fechou em terceiro lugar.

Vale destacar a ultrapassagem de Popó Bueno sobre Ricardo Zonta na última volta. A manobra colocou o piloto da A.Mattheis dentro do playoff no décimo lugar. Além de Popó e dos três primeiros colocados, Átila Abreu, Ricardo Maurício, Cacá Bueno, Max Wilson, Felipe Maluhy e Allam Khodair são os pilotos que estão na luta pelo título.
A partir da 11ª volta, a corrida deu uma estabilizada. Serra seguia firme na ponta, com Gomes e Nonô na sequência. Mas as posições finais só seriam definidas nas paradas. Dos líderes, Marcos Gomes foi o primeiro a entrar, mas perdeu muito tempo. Quando todos pararam e as posições foram restabelecidas, o paulista viu seu segundo lugar se transformar em quarto. Melhor para Wilson e Nonô, que foram à caça do líder, Daniel.
A corrida caminhava para um pódio com Serra, Wilson e Nonô, mas um incêndio no carro do então segundo colocado o fez abandonar a corrida a dez voltas do fim. Com isso, Nonô herdou o posto, com Gomes indo ao pódio. Cacá e Átila Abreu ainda protagonizaram uma boa briga pelo sexto posto nas voltas finais, com o piloto da Red Bull levando a melhor.
A vitória de Daniel Serra neste domingo foi a segunda do piloto na categoria. O paulista ainda parou o carro logo após a bandeirada – atitude tomada também por outros pilotos – por conta do combustível.
A corrida foi bem tranquila, sem grandes acidentes ou disputas polêmicas. Daniel manteve a ponta na largada, enquanto Marcos Gomes pulava de quinto para segundo, deixando para trás Wilson. Quem também teve um bom início foi Nonô, alcançando o quarto posto.
Ainda na primeira volta, Valdeno Brito escapou e viu suas chances de tentar uma vaga no playoff reduzidas a zero. O paraibano acabou abandonando na sequência.
Enquanto isso, a briga pelo segundo lugar era intensa entre Gomes, Wilson e Nonô. O pelotão seguinte, formado por Khodair, Átila, Cacá e Maurício lutava pela quinta posição. Por conta destas duas disputas, Daniel conseguiu abrir certa vantagem nas primeiras voltas, sem ter de se preocupar em defender a liderança.
Um dos pontos altos foi a disputa entre Cacá, Maurício e Popó pelo sexto lugar. Enquanto Cacá pressionava o piloto da RC, Popó aproveitou a brecha e ultrapassou os dois de uma vez. A alegria do piloto da A.Mattheis, no entanto, durou pouco. Nos giros seguintes, Cacá e Maurício conseguiram retomar as posições.

FÓRMULA INDY - GP DE MOTEGI JAPÃO

HELIO CASTRONEVES VENÇE O GP DE MOTEGI E ADIA A DECISÃO PARA HOMESTEAD. WILL POWER QUE MANTEM A LIDERANÇA DO CAMPEONATO 2010, VAI DISPUTAR O TITULO COM DÁRIO FRANCHITTI.

Ficou para a última etapa, em Homestead, a definição do campeão da Indy de 2010. O escocês Dario Franchitti, da Ganassi, ficou na segunda colocação, logo à frente do líder da temporada e seu principal concorrente ao título, o australiano Will Power, da Penske. Com isso, Power passou a ter 587 pontos, 12 a mais que Franchitti. Helio Castroneves venceu a etapa de Motegi, disputada neste domingo (19), no Japão, mas não tem mais chances de conquistar o título.
O australiano Ryan Briscoe, também da Penske, foi o quarto colocado, seguido pela norte-americana Danica Patrick, que já venceu na pista japonesa. A sexta posição ficou com o neozelandês Scott Dixon, da Ganassi, que viu suas remotas chances de ser campeão acabarem. Tony Kanaan, da Andretti, foi o sétimo, enquanto o norte-americano Graham Rahal, da Newman/Haas, foi o oitavo, seguido por seu compatriota Ryan Hunter-Reay, da Andretti, e pelo inglês Dan Wheldon, da Panther.

Vitor Meira, da Foyt, foi o 17º, logo à frente de Raphael Matos, da De Ferran Dragon. Já Mario Moraes sofreu um acidente após falha em sua KV e foi para o hospital reclamando de dores nas costas, mas passa bem.

A corrida: A largada foi tranquila, mas viu Power cair da terceira para a quinta colocação, perdendo a posição para Franchitti, inclusive. E, na volta 2, o belga Bertrand Baguette, da Conquest, perdeu o controle de seu carro e bateu na saída da curva 2, provocando a primeira amarela da prova. Na volta sete, alguns pilotos do fundo do grid já pararam nos pits para abastecer.

Na décima volta surgiu a relargada, e Franchitti partiu pra cima de Briscoe, conseguindo a segunda colocação, depois retomada pelo australiano. Power seguiu perdendo posições, caindo para sexto.

A segunda amarela apareceu na volta 42, quando o inglês Alex, Lloyd perdeu força em seu carro, e ficou lento, mas conseguiu voltar aos pits. E lá foram todos os carros parar nos pits. Castroneves voltou na frente, com Briscoe em segundo e Franchitti em terceiro. Power voltou na nona colocação.

E nada de novo na relargada. As posições dianteiras ficaram inalteradas.

Na volta 71, a terceira amarela surgiu, agora protagonizada por um brasileiro. Mario Moraes perdeu o controle de sua KV na saída da curva 2 após problemas na roda traseira esquerda e bateu no muro. O piloto saiu do carro com apoio da equipe média, deixando a pista em uma maca, reclamando de dores nas costas. O brasileiro foi levado ao hospital para exames mais detalhados.

E todo mundo voltou para os pits para fazer a segunda parada nos pits. Castroneves seguiu na ponta, enquanto Power ganhou três colocações.
Na relargada, Franchitti ultrapassou Castroneves, mas não assumiu a ponta, que era de Raphael Matos, que não parou na última amarela. Mutoh também não tinha parado. E Briscoe, discreto, estava em terceiro, na frente de Franchitti e Helio.

Depois das paradas de Matos e Mutoh, Briscoe assumiu a liderança, com Helio em segundo e Dario em terceiro. E, na volta 115, mais uma amarela, agora causada por Paul Tracy, que raspou sua Dreyer & Reinbold na saída da curva 4.

E a maioria parou novamente nessa amarela, com Castroneves superando Briscoe e reassumindo a liderança da prova. O australiano fez uma péssima relargada e perdeu a segunda posição para Franchitti.

Alex Lloyd causou sua segunda amarela na corrida na volta 148, ao perder o controle de sua Coyne na entrada da curva 1 e bater muito forte no muro. O carro de Lloyd chegou a pegar fogo, mas o inglês logo saiu do carro.

E com isso, a última janela de pits foi aberta. Castroneves se manteve em primeiro, com Franchitti em segundo e Briscoe em terceiro. Will Power se recuperou e, no momento, era o quarto colocado.

20 voltas depois, a verde foi acionada. Helio manteve a liderança, com Franchitti em segundo e Power, passando Briscoe, em terceiro. E ficou assim. O título será decidido em Homestead, no dia 2 de outubro.
Fonte (GP)

NASCAR - TRUCK SERIES NEW HAMPSHIRE

KYLE BUSCH VENÇE MAIS UMA NESTE SÁBADO(18). DEPOIS DE UMA PROVA EMOCIONANTE E UMA DISPUTA ACIRRADA COM KEVIN HARVICK DO INÍCIO AO FIM BUSCHINHO LEVA A MELHOR.
Kyle Busch venceu novamente na temporada, neste Sábado pela Truck Series. Foi uma prova sensacional, com um duelo do início ao fim entre o Buschinho e Kevin Harvick. Mas no fim, foi com James Buescher que o 18 teve que brigar para conquistar a vitória, mas ele foi lá, passo e conquistou mais uma vitória.

Kyle Busch sustentou a ponta na largada seguindo de perto por Kevin Harvick. Na terceira volta Ricky Carmichael rodou sozinho e bateu no muro, provocando a primeira bandeira amarela. Relargada na volta 6 e Harvick foi novamente para cima do Buschinho.

Kyle Busch se sustentou na ponta e na volta 45 Harvick chegou novamente forte no Buschinho para brigar pela ponta da prova e desta vez a ultrapassagem aconteceu. Alguma voltas, no entanto, Harvick se atrapalhou com os retardatários e Kyle Busch aproveitou para recuperar a posição.

Na volta 62 aconteceu a segunda bandeira amarela devido a detritos na pista. Os pilotos pararam nos pits e Kyle Busch retornou na frente seguido de Harvick e Ron Hornaday. Bandeira verde na volta 67 e mais uma vez a briga Kyle Busch e Kevin Harvick. Na 71 Jason White rodou na pista e provocou outra amarela.

Bandeira verde na 75 e a batalha entre os dois continuou. Mas na volta 80 David Star rodou depois de um toque com um rival e provocou mais uma amarela. A prova recomeçou na volta 85 e Eddie Macdonald logo bateu e paralisou novamente a prova. Verde na volta 91 e desta vez Harvick deu o bote e pulou para a primeira posição, mas Kyle Busch deu o troco na volta seguinte.

Nova bandeira amarela na volta 127 e os pilotos entraram nos pits. Na saída a ordem era Harvick, Busch e Hornaday. Relargada faltando 44 voltas e Kyle Busch pulou para a liderança da prova. Faltando 17 voltas para o fim o piloto do carro 89, Mike Harmon, rodou e provocou mais uma amarela. Relargada faltando 12 voltas para o fim e Kyle Busch sustentou a ponta.

James Buescher aproveitou da briga de Kyle Busch e Kevin Harvick e ultrapassou os dois, pulando para a primeira posição. Faltando seis voltas outra bandeira amarela, com Ron Hornaday no muro. Na relargada Kyle Busch foi para cima de James Buescher e pulou para a primeira posição, vencendo a prova.
Fonte (Nascar Brasil)

quarta-feira, setembro 08, 2010

FÓRMULA 1 + FERRARI + FIA : PIZZA!


E TUDO ACABA COMO SEMPRE, ONDE QUEM TEM PRESTÍGIO E CAPITAL SEMPRE TERÁ VANTAGEM, SEJA NO MUNDO DOS MORTAIS OU NO MUNDO DO AUTOMOBILÍSMO. EM REUNIÃO NESTA QUARTA(8) EM PARIS, O CONSELHO MUNDIAL DA FIA LIVRA A FERRARI DE PUNIÇÃO PELO EPISÓDIO DO ÚLTIMO DIA 25/07 EM HOCKENHEIM QUANDO A EQUIPE ORDENOU A FELIPE MASSA A DEIXAR FERNANDO ALONSO PASSAR NA 47ª VOLTA DA CORRIDA, NUM JOGO DE EQUIPE EXPLÍCITO QUE TODOS PUDERAM VER E OUVIR. A FERRARI JÁ HAVIA SIDO MULTADA EM U$100 MIL DÓLARES NO MESMO DIA, PORÉM O CASO FOI A JULGAMENTO E AGORA SAIU O VEREDICTO: INOCENTE!
A FIA DIZ QUE VAI REVER AS REGRAS DO REGULAMENTO PARA QUE ISSO NÃO ACONTEÇA NO FUTURO, ENQUANTO ISSO O SENHOR ASTURIANO MAIS UMA VEZ É FAVORECIDO E PAIRA COMO UM CORDEIRINHO SEMPRE INOCENTE. AINDA FALAM DO SCHUMACHER, O DITO "DICK VIGARISTA", MAS QUEM É O REAL VIGARÍSTA NA HISTÓRIA DA FÓRMULA 1 DEPOIS DA ERA SCHUMACHER?? LEMBRANDO QUE A 8 ANOS ATRÁS NA ÁUSTRIA NUM EPISÓDIO IDÊNTICO SÓ QUE COM BARRICHELLO E SCHUMACHER COMO PROTAGONÍSTAS, A FERRARI FOI MULTADA EM U$1 MILHÃO. E A INFLAÇÃO NESSE PERÍODO SERÁ QUE DECAIU TANTO ASSIM?? COMO DIZ AQUELE ÂNCORA DE UM JORNAL FAMOSO: "ISSO É UMA VERGONHA!"
VEJAM O POST DO SITE GRANDE PREMIO SOBRE O ASSUNTO:

Depois de três horas de reunião em Paris, o Conselho Mundial da FIA decidiu não punir a Ferrari por conta do jogo de equipe explícito no GP da Alemanha.

A expectativa de que a Ferrari poderia ser punida de forma mais severa pela FIA acabou não se confirmando e a escuderia italiana saiu ilesa do jogo de equipe explícito no GP da Alemanha. A decisão do Conselho Mundial da entidade máxima manteve a dobradinha do time em Hockenheim. Mas o veredito trouxe uma nova informação: a federação pretende rever as regras da F1.

A Ferrari já havia sido punida com uma multa de US$ 100 mil — cerca de R$ 172 mil — pelos comissários do GP alemão. Na 47ª volta da corrida, Felipe Massa recebeu ordens para deixar Fernando Alonso ultrapassá-lo e conquistar a vitória em Hockenheim. O jogo de equipe ficou claro na conversa via rádio entre Massa e seu engenheiro, Rob Smedley. "Fernando está mais rápido que você. Você confirma que ouviu a mensagem?".

A mensagem veio de forma pausada e trouxe à tona a polêmica sobre as ordens de equipe na F1, proibidas desde o episódio protagonizado pela mesma Ferrari em 2002, quando Rubens Barrichello entregou a vitória no GP da Áustria a Michael Schumacher.

Na ocasião, o time vermelho recebeu como sanção uma multa de US$ 1 milhão, dez vezes mais a que foi aplicada à escuderia na Alemanha.
Após a audiência de hoje, em Paris, Angelo Sticchi Damiani, chefe da Federação Italiana de Automobilismo, afirmou aos repórteres que o corpo diretivo do Conselho concordou, por unanimidade, não impor qualquer punição extra à equipe.

A Ferrari usou como argumento de defesa a própria escolha de Massa em ceder a liderança da prova, de acordo com o cenário que foi apresentado via rádio. A equipe italiana comemorou o resultado e se mostrou satisfeita com o fato de a FIA concordar em revisar o regulamento esportivo da F1 sobre as ordens de equipe.
Em comunicado, o Conselho Mundial ratificou a decisão e reconheceu a regra da proibição do jogo de equipe na F1 será revista. Confira a nota da entidade:

"Em 25 de julho de 2010, os comissários do GP da Alemanha encontraram uma violação feita pela equipe Ferrari com relação à proibição do jogo de equipe e que interferiu no resultado da corrida. Em seguida, os comissários decidiram aplicar uma multa de US$ 100 mil e de levar o processo ao Conselho Mundial para análise posterior.

O julgamento do Conselho Mundial aconteceu nesta quarta-feira (8), em reunião extraordinária em Paris, com o objetivo de examinar a questão. Após análise aprofundada de todos os documentos, declarações e relatórios, este órgão decidiu confirmar a decisão dos comissários, ou seja, manteve a multa por conta da violação do artigo 39.1 do Regulamento Esportivo e impôs, além disso, o pagamento das despesas efetuadas pela FIA.

O Conselho também reconheceu que o artigo 39.1 deve ser revisto e decidiu remeter a questão ao Grupo Esportivo de Trabalho da F1."

A FIA ainda prometeu um comunicado completo, explicando a decisão sobre o caso da Ferrari, para esta quinta-feira (9).


Fonte (GP)

domingo, setembro 05, 2010

MOTOCICLISMO - ACIDENTE TRÁGICO NA MOTO 2

ACIDENTE TRÁGICO ENCERROU A CARREIRA DO PILOTO JAPONES SHOYA TOMIZAWA 19 ANOS NA PROVA DE MISANO NA ITÁLIA! APÓS A QUEDA O PILOTO FOI ATROPELADO POR OUTROS DOIS COMPETIDORES E COM MULTIPLAS FRATURAS JA SAIU PRATICAMENTE SEM VIDA DO CIRCUITO!


Shoya Tomizawa, que completaria 20 anos no dia 10 de dezembro, nasceu em Asahi, no Japão. Após relativo sucesso no país, Tomizawa foi para a MotoGP em 2009, para disputar as 250cc. Antes, entre 2006 e 2008, o piloto participou das provas das 125cc e 250cc em Motegi, no Japão. O piloto faleceu neste domingo (5), em Misano, na Itália, após cair de sua moto durante a prova da Moto2. O japonês foi atropelado por Alex de Angelis e Scott Redding.
Tomizawa começou a pilotar minimotos com três anos. Em 2001 começou a participar de campeonatos locais e, depois de passar pelo campeonato japonês, onde ficou com a segunda colocação em 2006, o piloto participou de etapas do Mundial na pista de Motegi, nas categorias 125cc e 250cc.

Em sua primeira participação, ainda em 2006, abandonou. Em 2007 ficou com a 22ª colocação e, em 2008, já pelas 250cc, terminou a prova em 14º, marcando dois pontos.

Em 2009, Tomizawa disputou toda a temporada das 250c, conquistando como melhores resultados dois décimos lugares, um em Motegi e outro em Valência.

Tomizawa foi o primeiro vencedor da história da Moto2, que estreou nesse ano. O japonês venceu a etapa de abertura, no Catar. Depois, na segunda corrida, conquistou a segunda colocação, em Barcelona. Tomizawa não havia largado na última etapa, em Indianápolis, e ocupa a póstuma sexta colocação na temporada, após a etapa desse final de semana.
Fonte(GP)

STOCK CAR - CORRIDA DO MILHÃO

RICARDO MAURICIO EM EXCELENTE CORRIDA E COM AJUDA DA EQUIPE NOS BOXES PASSA POR MARCOS GOMES E VENÇE A PROVA DO MILHÃO!
Ricardo Maurício comprovou a supremacia da RC no fim de semana e venceu a Corrida do Milhão, que aconteceu neste domingo (5) em Interlagos. A corrida foi definida nos boxes. Marcos Gomes, que vinha soberano na ponta, perdeu tempo em sua troca de pneus e foi ultrapassado por Maurício, que rumou para a vitória, se classificou para o playoff final da Stock e de quebra, faturou o cobiçado prêmio de R$ 1 milhão.
Cacá Bueno foi o quarto colocado e terminou a prova à frente de Thiago Camilo. Nonô Figueiredo cruzou a linha de chegada na sexta posição e foi seguido por Daniel Serra, sétimo após ter iniciado a Corrida do Milhão em último. Rodrigo Sperafico completou etapa em oitavo. Constantino Jr. surpreendeu e chegou em nono, enquanto seu companheiro de equipe, Cláudio Ricci, completou a relação dos dez primeiros em Interlagos.

A corrida — A prova teve seu início com pista seca, mas com muitas nuvens negras nas cercanias do autódromo. Foi uma largada tranquila, e as primeiras posições permaneceram inalteradas. Marcos Gomes seguiu soberano na ponta e abriu vantagem para Cacá Bueno. No fim da primeira volta, no final da reta dos boxes, o piloto da Red Bull foi ultrapassado por Ricardo Maurício e depois, por Átila.

No final da terceira volta, o pneu traseiro direito do carro de Valdeno Brito furou e o piloto praticamente deu adeus às chances de conquistar o bicampeonato da Corrida do Milhão, graças a um toque de Rodrigo Sperafico.

Um giro depois, Átila tomou a posição de Maurício, mas o piloto da RC deu o troco no fim da reta oposta. Mais atrás, Max Wilson também teve o pneu traseiro direito furado e perdeu o controle do carro na entrada da Curva do Lago.

E mais incidentes. Ricardo Sperafico ficou parado na pista e abandonou a prova, e Diego Nunes tocou no carro de Duda Pamplona na saída do S do Senna e deixou óleo na pista, o que ocasionou a primeira intervenção do safety-car na sexta volta da Corrida do Milhão. Enquanto isso, lá no fundo do pelotão, Christian Fittipaldi saltou de último para 22º após oito voltas.

Com a corrida reiniciada, Marcos Gomes manteve a liderança, seguido de perto por Maurício. Pizzonia, que vinha em quinto, fez uma ultrapassagem incrível e ganhou as posições de Nonô e Átila na entrada da Curva do Lago. Mas a prova voltou estar sob bandeira amarela, já que Fittipaldi abandonou após ter sido tocado pelo carro de Giuliano Losacco. Luciano Burti também teve seu pneu furado na nona volta.
Um giro depois, nova bandeira verde. Dessa vez, a posição de Marcos não ficou tão tranquila, já que Maurício emparelhou lado a lado com o piloto da Full Time e tentou assumir a ponta. Mas o líder fechou a porta e deixou o representante da RC a mercê de Pizzonia, que ultrapassou no final da Reta Oposta. O amazonense era o grande destaque da prova até então.

Valdeno e Max foram punidos pela direção de prova por terem trocado outros pneus, além daquele que foi avariado. Ambos tiveram de cumprir drive-through.

Mas o segundo lugar do “Jungle Boy” durou apenas uma volta, já que Ricardo o ultrapassou antes do fim do 12º giro. Mais à frente, o ex-piloto da Williams cometeu um erro e caiu para quinto e foi ultrapassado por Nonô. Mas um problema no assoalho do carro de Pizzonia colocou fim à sua boa prova.

Zonta se envolveu em um incidente com Xandinho Negrão, rodou na saída da Curva do Lago e ficou em posição perigosa, ocasionando mais uma bandeira amarela na pista. Negrão foi desclassificado após ter sido punido com bandeira preta por conduta anti-desportiva.

Safety-car na pista, pilotos nos boxes. Quem se deu bem nos pit-stops foi Maurício, que tomou a liderança de Marcos Gomes. Nova relargada, e o piloto da RC manteve a ponta, enquanto seu adversário passou a ser muito pressionado por Átila. O líder da temporada esboçou uma ultrapassagem no final da reta dos boxes, mas Marcos resistiu. Pouco tempo depois, começou a garoar em Interlagos, ainda que de forma discreta.

Átila vacilou e perdeu a posição para Allam Khodair, outro que fazia boa prova de recuperação após largar em 16º. O piloto da AMG passou a ser pressionado por Cacá, que trazia consigo Felipe Maluhy e Rodrigo Sperafico. Mais atrás, na entrada do Bico de Pato, Júlio Campos, que estava com o para-brisa avariado, rodou em 360 graus, mas ainda assim permaneceu na pista, sem perder a 13ª colocação para David Muffato.

Maurício foi orientado por Rosinei Campos, chefe de equipe, para não usar o push-to-pass, visando a economia de combustível. Enquanto o líder da prova buscava controlar o ritmo, outros pressionavam, como Willian Starostik, que ocupava a décima colocação após ter largado em 31º. Mas no fim da Reta dos Boxes, o piloto foi tocado por Thiago Marques, bateu na barreira de pneus e perdeu o capô do carro, comprometendo seu desempenho na prova.

A vantagem de Ricardo na liderança apenas aumentou. O piloto do carro de número 90 ostentava uma diferença de 3s595 para Marcos Gomes, após 26 voltas completadas. Faltavam menos de dez minutos para o fim da Corrida do Milhão.

A tensão prevaleceu nos minutos finais da prova em Interlagos. De Maurício a Lico Kaesemodel, o 13º, todos só haviam feito um pit-stop para reabastecimento e precisavam poupar combustível para chegar ao final da prova sem ter de fazer outra parada. Mas o risco de pane seca era grande, dado o ritmo intenso da prova.

Na última volta, Ricardo economizou o máximo de combustível possível e cruzou lentamente a linha de chegada na frente, encerrando as esperanças a Marcos de vencer a prova. Mas o prêmio milionário ficou mesmo nas mãos do piloto da RC. O carro de Maurício teve pane seca sim, mas foi na volta de comemoração.

Os excluídos — Além da desclassificação de Negrão, mais três pilotos foram punidos com a exclusão da Corrida do Milhão, logo após a vistoria obrigatória acusar irregularidades nos carros. Os competidores são Júlio Campos e Alan Hellmeister, da JF, além de Williams Starostik, da RC3 Bassani.

VEJA O GRID FINAL:


1 Ricardo MAURÍCIO SP Eurofarma RC
Chevrolet Vectra

2 Marcos GOMES SP Blau Full Time
Peugeot 307

3 Átila ABREU SP AMG
Chevrolet Vectra

4 Cacá BUENO RJ Red Bull
Peugeot 307

5 Thiago CAMILO SP Vogel
Chevrolet Vectra

6 Nonô FIGUEIREDO SP Cosan Mobil Super
Chevrolet Vectra

7 Daniel SERRA SP Red Bull
Peugeot 307

8 Rodrigo SPERAFICO PR Mico's
Peugeot 307

9 Constantino JR. MG Crystal Amir Nasr
Peugeot 307

10 Cláudio RICCI RS Crystal Amir Nasr
Peugeot 307

11 Popó BUENO RJ A Mattheis
Chevrolet Vectra

12 Lico KAESEMODEL PR RCM
Peugeot 307

13 Allam KHODAIR SP Blau Full Time
Peugeot 307

14 Luciano BURTI SP Itaipava
Peugeot 307

15 Antonio JORGE NETO SP RZ Corinthians
Chevrolet Vectra

16 Felipe MALUHY SP Officer Pamplona
Chevrolet Vectra

17 Diego NUNES SP RC3 Bassani
Chevrolet Vectra

18 Valdeno BRITO PB Cosan Mobil Super
Chevrolet Vectra

19 Max WILSON SP Eurofarma RC
Chevrolet Vectra

20 Thiago MARQUES PR AMG
Chevrolet Vectra

21 Duda PAMPLONA RJ Officer Pamplona
Chevrolet Vectra

22 Gustavo SONDERMANN SP Gramacho
Chevrolet Vectra

23 David MUFFATO PR Itaipava

Fonte (GP)

FÓRMUMA INDY - HELIO VENCE MAS ESTA FORA DO TÍTULO!

HELIO CASTRO NEVES USA ESTRATÉGIA E VENCE EM KENTUCKY. O PILOTO DA PENSKE USA ESTRATEGIA NAS VOLTAS FINAIS E LEVA A MELHOR VENCENDO A PROVA DE KENTUCKY. A Penske aprendeu com os últimos exemplos que ela pode constatar ao vivo que uma estratégia diferenciada poderia dar a vitória para um de seus pilotos. Na prova de Chicagoland, viu Franchitti vencer sem trocar pneus na última parada. Já em uma das preliminares da Indy no Kentucky, na prova da Nascar Truck Series, viu o piloto Todd Bodine vencer após rodar e ir lá para trás do pelotão e ficar em um ritmo diferente de parada de todos os outros pilotos.

Pois Hélio fez uma estratégia diferenciada aproveitando-se de problemas no carro e pode comemorar uma vitória que estava engasgada desde a prova de Edmonton, onde ele chegou na frente mas por conta de uma punição polêmica acabou perdendo 20 segundos e perdendo uma vitória quase certa.

A prova foi bastante disputada desde o início, com as surpresas Ed Carpenter e Dan Wheldon indo para frente do pelotão logo na largada. Porém, logo na primeira volta, Takuma Sato voltou a encontrar o muro de proteção, causando mais um grande prejuízo para equipe KV, sem dúvida o time que mais perdeu chassi por conta de acidentes nesta temporada.

Bandeira verde acionada e o ritmo da prova se manteve bom, com os pilotos fazendo longo trecho em bandeira verde. Com isso, a primeira parada foi com os carros em ritmo de corrida, e neste momento a Penske deu o pulo do gato para cima dos carros da Panther, fazendo com que Will Power voltasse na frente. Hélio era apenas discreto neste momento.

Ai veio a segunda bandeira amarela, em uma confusão entre Simona de Silvestro, Vitor Meira e Ryan Briscoe, no acidente de maior gravidade da corrida. Silvestro foi tocada por Meira, que acabaram escapando e acertando o carro de Briscoe. A piloto suíça da HVM sofreu o maior contato quando o carro escapou para dentro e bateu no muro interno do oval, onde não existe safe barrier.

Foi neste momento que começou o pulo do gato de Castroneves, que aumentou a janela do seus pits ao voltar para os boxes no final do trecho em bandeira amarela e fazer acertos no seu carro, além de ficar com combustível por mais 2 voltas em relação a todos os seus rivais.

Como o ritmo em bandeira verde voltou a ser forte, todos os outros carros pararam mais uma vez na altura da volta 145. Já Castroneves fez sua parada na volta 147. Enquanto a lutas por posições ficavam intensas, com os carros da Ganassi subindo juntos com o pessoal da Panther, Castroneves manteve o ritmo para evitar o splash and go no fim da corrida e vencer a prova. Tony Kanaan, que largou da penúltima posição, fez excelente prova de recuperação e chegou no 4° lugar. Já na disputa pelo título, Franchitti conseguiu chegar no 5° lugar, enquanto Power foi apenas o 8°. Outro destaque foi Bertrand Baguete, que saiu em 6° e chegou em uma boa 10° posição com a fraca equipe Conquest

NASCAR - NATIONWIDE SERIES ATLANTA


JAMIE McMURRAY SEGURA A PRESSÃO DE KYLE BUSCH NAS ÚLTIMAS VOLTAS E QUEBRA UM JEJUM DE SEIS ANOS VENCENDO NO SÁBADO(04) A PROVA DE ATLANTA.

Jamie McMurray venceu a etapa de Atlanta da Nascar Nationwide Series, na noite deste sábado (4). O piloto, que dirigiu para a JR Motorsports, assumiu a liderança na última bandeira verde ao relargar melhor, ultrapassando dois adversário e não dando chance para Kyle Busch o alcançar. McMurray acabou com um jejum de seis anos sem vitórias na categoria.

A corrida começou com Kasey Kahne largando na pole-position. O piloto, que competiu pela Braun Racing, liderou as três primeiras voltas até ser superado por Kyle Busch. Ao contrário do habitual, o piloto da Joe Gibbs, não conseguiu disparar na primeira posição, deixando Kahne retomar a liderança.

Busch continuou a pressionar o adversário e voltou ao primeiro posto no giro de número 25. A corrida parecia que iria se tornar um novo domínio do atual campeão da categoria. Apenas parecia. Embora o Toyota número 18 tivesse liderado por quase 40 voltas, a bandeira amarela causada pela rodada de Michael McDowell fez com que todos os líderes fossem para os boxes. Na saída dos pits, Jamie McMurray foi o mais rápido e assumiu a liderança.

A vantagem do piloto da Chevrolet durou apenas três passagens, até que Kevin Harvick pudesse assumir a primeira colocação. O bicampeão da categoria continuou na frente até ser ultrapassado por Kyle Busch.
Na volta 148, outra vez a bandeira amarela foi acionada. Dessa vez, Ryan Newman jogou Trevor Bayne para fora da pista. Os líderes foram para os boxes e, praticamente como um replay da parada anterior, McMurray voltou na frente de Busch.

A corrida foi decidida então na última relargada. Depois do forte acidente de Reed Sorenson, pilotos como Brad Keselowski e Josh Wise preferiram não ir aos boxes e arriscaram ficar na pista. Todos os demais pararam. No recomeço, a dupla da frente se mostrou totalmente fora de ritmo e serviram apenas para segurar Kyle Busch, permitindo que Jamie McMurray se aproveitasse da situação e pulasse na liderança.

O atual vencedor das 500 Milhas de Daytona manteve uma diferença constante de 1s para Busch, mas viu a vantagem diminuir nas voltas finais. O piloto da Chevrolet, no entanto, negociou melhor as ultrapassagens com os retardatários para cruzar a linha de chegada em primeiro. Busch terminou em segundo, seguido por Carl Edwards, Harvick e Matt Kenseth.

Joey Logano, Jason Leffler, Ryan Newman, Paul Menard e Ricky Stenhouse Jr completaram os dez primeiros. Brad Keselowski, líder do campeonato, terminou apenas em 12º. Na corrida, houve nove mudanças de liderança entre cinco pilotos e a bandeira amarela apareceu quatro vezes, durando 17 voltas.

No campeonato, Keselowski, que soma 4127 pontos, possui uma vantagem de 332 para Edwards. Busch aparece em terceiro, com 3576, seguido por Justin Allgaier, com 3385, e por Menard, com 3309.
(FonteGP)

NASCAR - TRUCK SERIES KENTUCKY


EM PROVA REALIZADA NA SEXTA(03), NO KENTUCKY, TODD BODINE USA ESTRATÉGIA E SORTE PARA VENCER E SE ISOLAR NO CAMPEONATO.


Austin Dillon largou na frente, mas foi logo superado por Johnny Sauter e que manteve a primeira posição durante as primeiras voltas. Enquanto isso, Kyle Busch vinha escalando o pelotão e Miguel Paludo lutava por posições intermediarias, com um carro instável nas curvas 3 e 4. Na volta 20, quem apareceu para a briga pela primeira posição foi Ron Hornaday, mas antes de conseguir a ultrapassagem em cima de Sauter, Jeffrey Earnhardt, primo de Dale Jr, perdeu a traseira e causou a primeira amarela. Todo mundo no pit para a primeira parada. Com todos os carros nos pits, Hornaday voltou na primeira posição, seguido de Todd Bodine e Austin Dillon, enquanto Kyle Busch subia e já aparecia no sétimo lugar. Paludo era o décimo quinto colocado.

Na bandeira verde na volta 28, Hornaday manteve a posição, enquanto que do segundo até o oitavo lugar todas as posições eram alteradas. Um pouco mais atrás, TImothy Peters quase perdeu o carro e provocou nova amarela. Na volta 42, Bodine resolveu partir para cima de Hornaday e tomar a primeira posição. E a essa altura ambos já eram seguidos por Kyle Busch na terceira posição. Na volta 46, segundo bandeira amarela por conta de problemas no carro de James Buscher.

Nova parada para os lideres. Na relargada, Kyle Busch já aparecia na liderança, depois de conseguir tomar a posição de Bodine. Na altura da volta 70, Paludo ainda ficava na volta dos lideres, mas apenas na décima oitava posição. E ai veio a terceira bandeira amarela na volta 76 por detritos na pista. Nova disputa nos pits, vencida por Kyle Busch, que trocou apenas 2 pneus. Miguel Paludo seguiu a mesma estratégia e ganhou várias posições, saindo em décimo segundo na relargada, que foi dada na volta 81. Porém, essa bandeira verde não durou muito. Na briga pelo primeiro lugar, Bodine perdeu a traseira quando tentava passar Busch, e acabou saindo de traseira no final da curva 4. Além disso, uma placa de metal saiu do truck #30, fazendo que Bodine fosse lá para ultimas posições.

Verde voltou na volta 87, com Busch liderando ainda e Miguel Paludo na décima quarta posição. Na volta 90, um fato curioso: o carro número 6 de Carl Johnson rodou e foi direto para o pit, não causando a bandeira amarela. Mas isso não durou uma volta, pois o número 82 de Paddy Rodenbeck bateu no muro e quase levou Stacy Compton, que conseguiu evitar a batida. Com as paradas nos pits de alguns pilotos, Paludo subiu para nona posição, mas foi engolido pelos outros pilotos na relargada e duas voltas após já estava em décimo sexto. E quem vinha subindo posições era Bodine, que já estava na Top-10 faltando 49 voltas para o fim.

Após longo periodo sem bandeiras amarelas, os líderes tiveram que parar em bandeira verde. Ron Hornaday e Kyle Busch foram os primeiros e começaram a esperar os outros trucks a parar, em estratégias diferentes. Faltando 13 voltas para o fim, a maioria dos pilotos entraram, para colocar 2 pneus e combustível para ir até o final da prova. E quem ficou na pista foi Todd Bodine, que com os problemas acabou entrando mais vezes no pit e conseguiu ter combustível para ir até o final da prova. Vitória de Bodine, líder do campeonato, seguido de Johnny Sauter e Aric Almirola. Miguel Paludo, na estratégia de pits, acabou em 20° lugar, 2 voltas atrás do líder.

Veja o resultado final:


FIN ST CAR DRIVER MAKE SPONSOR PTS/BNS LAPS STATUS
1 14 30 Todd Bodine Toyota Germain.com 190/5 150 Running
2 2 13 Johnny Sauter Chevrolet FarmPaint.com / Curb Records 175/5 150 Running
3 5 51 Aric Almirola Toyota Zyclara by Graceway Pharmaceutica-
ls 165/0 150 Running
4 13 23 Jason White Ford ASI Limited / Akzo Nobel 160/0 150 Running
5 9 4 Ricky Carmichael Chevrolet Monster Energy 155/0 150 Running
6 12 17 Timothy Peters Toyota Apex Tool Group 150/0 150 Running
7 4 18 Kyle Busch Toyota Dollar General / Toyota Tundra 156/10 150 Running
8 26 39 Ryan Sieg Chevrolet S&W Towing 142/0 150 Running
9 1 3 Austin Dillon * Chevrolet Bass Pro Shops / Remington Arms / Tracker 143/5 149 Running
10 10 88 Matt Crafton Chevrolet Ideal Door / Menards 134/0 149 Running
11 7 7 Justin Lofton * Toyota VisitPIT.com 130/0 149 Running
12 16 60 Stacy Compton Chevrolet SafeAuto Ins.
Co. / Wyler.com 132/5 149 Running
13 3 5 Mike Skinner Toyota International Trucks / Monaco RV 124/0 149 Running
14 20 181 David Starr Toyota Allegro Marinade 121/0 149 Running
15 24 192 Dennis Setzer Chevrolet fleetHQ.com / BTS Tire & Wheel Distributors 118/0 149 Running
16 29 12 Mario Gosselin Chevrolet TireMonkey.com / James Carter Attorney 115/0 149 Running
17 27 85 Brent Raymer Ford Ford. Drive one. 112/0 149 Running
18 6 90 Donny Lia Toyota Dave Dayton's Racers Auction & Trade Show 109/0 148 Running
19 15 2 Shelby Howard Chevrolet Foretravel Motorcoach 106/0 148 Running
20 21 177 Miguel Paludo Toyota Stemco / Duroline 103/0 148 Running
21 36 244 Will Kimmel III Ford Lucas Oil Products / Checkmate 100/0 148 Running
22 11 31 James Buescher Chevrolet Wolfpack Rentals 97/0 148 Running
23 30 10 Jennifer Jo Cobb * Ford drivenmale.com / DriverBoutique.com 94/0 147 Running
24 32 46 Clay Greenfield Dodge Team Gill Racing 91/0 147 Running
25 18 41 Steve Park Toyota Van Dyk Baler Corp. / Bollegraaf 88/0 147 Running
26 31 6 Carl Long Chevrolet Kisses4Kate.org 85/0 147 Running
27 19 172 John Jackson Chevrolet James Carter
Attorney / SponsorTheTruck.com 82/0 147 Running
28 22 47 Jeffrey Earnhardt Chevrolet Fuel Doctor USA 79/0 146 Running
29 8 33 Ron Hornaday Chevrolet E-Z-Go 2Five Street Legal Vehicle 81/5 146 Running
30 35 01 Chris Lafferty Dodge Koma Unwind Chillaxation Drink 73/0 141 Running

Fonte(NascarBrasil)

quinta-feira, setembro 02, 2010

O CARRO DOS SONHOS - BUGATTI VEYRON SUPER SPORT 16.4

O pessoal da Bugatti esteve em um circuito, juntamente com agentes da German Technical Inspection Agency (TÜV) e um representante do Guinness Book of Records, para estabelecer um novo recorde de velocidade, que foi de 415 km/h. Eles esperavam conseguir 425 km/h,
mas as condições não estavam muito boas.
Em termos de aceleração de 0-100, o tempo oficial do modelo não foi informado, mas é claro que será menor que os 2,2 segundos do Veyron. A suspensão do Veyron Super Sport foi modificada, e agora tem molas mais firmes e estabilizadores maiores. Os amortecedores são novos também.
Se o Veyron atinge aceleração lateral de 1.25 G, o Veyron Super Sport alcança 1.4. O interior do Veyron Super Sport foi atualizado, contando com novos materiais de acabamento


Fonte(AEE)




AYRTON SENNA - O FILME REAL

Vejam o trailler do filme:

video

Finalmente AYRTON SENNA foi lembrado no cinema!

O filme documentário extreia primeiramente no Japão no dia 08/10 e vai relatar a vida do piloto na realidade. Isso mesmo, será um documentário com todas as provas que ele disputou e o seu dia a dia.

No Brasil ainda não tem data marcada para a estréia mas com certeza quando chegar será muito bem vindo.