terça-feira, setembro 29, 2009

CAMPEONATO DE SOM AUTOMOTIVO

EQUIPE DO GTA E FIFO AUTOSOM

segunda-feira, setembro 28, 2009

1º EVENTO DO GTA

CAMPEONATO GAÚCHO DE SOM AUTOMOTIVO TUNNING E REBAIXADOS









Realizado neste domingo(27) o primeiro evento do GTA.
Evento que foi um pouco prejudicado pelo mau tempo, mas em termos foi um sucesso.
Apesar de toda a chuva que caiu no dia até exatamente 15 minutos antes do evento começar, o Campeonato Gaúcho de Som Automotivo, Tunning e
Rebaixados etapa Tapera, se realizou de maneira absolutamente tranquila e satisfatória. Com uma média de público estimada entorno de 500 pessoas e 40 carros inscritos na competição foi, segundo o responsável pelo parte técnica do evento Fifo, um dos maiores já realizado em alguns anos de competições. E frizou mais, - O mais bem organizado de todos os tempos.
O GTA AGRADEÇE OS PATROCINADORES, O PÚBLICO E OS COMPETIDORES QUE SE FIZERAM PRESENTES NO EVENTO.

quinta-feira, setembro 24, 2009

CAMPEONATO DE SOM AUTOMOTIVO


ATENÇÃO:

O EVENTO SAI COM QUALQUER TEMPO! INICIO DAS COMPETIÇÕES AS 13 HS;

NÃO SERÁ PERMITIDA A ENTRADA COM BEBIDAS NO LOCAL . INGRESSOS E INSCRIÇÕES NO DIA E LOCAL;

EM CASO DE CHUVA, O EVENTO SAI IGUAL POIS O LOCAL POSSUI ÁREA COBERTA.

VALOR DAS INSCRIÇÕES 30,00 E INGRESSO 5,00. O COMPETIDOR NÃO PAGA INGRESSO;

ESTACIONAMENTO DENTRO DO PARQUE E COM SEGURANÇA;

INFORMAÇÕES SOBRE O REGULAMENTO E CATEGORIAS: www.fifoautosom.com.br

MAIORES INFORMAÇÕES: 54 9925 6723 E 9166 8100 COM GERSON

segunda-feira, setembro 21, 2009

CAMPEONATO GAÚCHO DE SOM AUTOMOTIVO TUNNING E REBAIXADOS


É isso ai pessoal, vamos compareçer no local e prestigiar o Evento do GTA!
Inscrições e ingressos no local! Parque de Exposições de Tapera.
Dia 27/Set/09 a partir das 09 hs da manhã.
Valor do ingresso para o público: R$ 5,00
Informações das categorias no site: http://www.fifoautosom.com.br/
Informações extras: 9925 6723 com Gerson

A SOLUÇÃO "PESADA" PRO CASO DE CINGAPURA!

BRIATORE É BANIDO DA F1 E DE TODAS AS COMPETIÇÕES À MOTOR QUE ENVOLVAM A SUPERVISÃO DA FIA.

No fim da história do caso Cingapura 2008, Flavio Briatore terminou como o "vilão", e a Renault tomou uma punição para inglês ver. No julgamento do Conselho Mundial da FIA em Paris, nesta segunda-feira (21), o ex-chefe da equipe francesa foi banido da F1 por ter planejado o acidente proposital de Nelsinho Piquet na prova asiática da temporada passada, para beneficiar Fernando Alonso, que venceu a etapa. Pat Symonds, que também foi um dos mentores intelectuais da farsa, foi suspenso por cinco anos da categoria. Já o time gaulês foi suspenso por dois anos, mas a sanção só vai ser executada se a escuderia cometer outra grave irregularidade. Resumindo, saiu ilesa.O julgamento do Conselho foi rápido: em pouco mais de uma hora e meia, os 26 membros da casa, que representa a instância máxima da FIA, ouviram os depoimentos referentes ao caso — que, recapitulando, envolveu a batida de Piquet na 14ª volta da prova em Cingapura no ano passado para ajudar Fernando Alonso, que já havia feito seu pit-stop, provocando a entrada do safety-car. O espanhol conseguiu a vitória do GP inaugural do país.

O episódio foi tornado público durante o GP da Bélgica, quando o jornalista Reginaldo Leme — colunista do Grande Prêmio e comentarista da Rede Globo — revelou que uma investigação sobre o acidente de Nelsinho estava em andamento. Nos dias seguintes, dois depoimentos do brasileiro à FIA vazaram na imprensa, em que ele admitiu ter causado o acidente de forma deliberada devido a um pedido feito por Briatore e Symonds, como forma de tentar garantir seu futuro na Renault.

Primeiramente, a escuderia gaulesa informou que estava processando tanto Nelsinho quanto seu pai Nelson Piquet na França e na Inglaterra por conta de alegações ilegais. Entretanto, na semana passada, a Renault emitiu um comunicado em que anunciou as saídas de Briatore e Symonds, e também que não contestaria as acusações do brasileiro. Por isso, a FIA decidiu aplicar uma expulsão da F1 por dois anos, aplicável apenas se o time cometer novo ato ilegal.O presidente do time da montadora, Bernard Rey, falou com a imprensa logo após o julgamento. "Nós nos desculpamos em frente ao Conselho Mundial. Aceitamos a total responsabilidade, e esperamos ter dias melhores no futuro", disse o dirigente, que se recusou a responder às perguntas questionando a permanência da Renault na F1, colocada em xeque pelo ex-piloto e atual comentarista Martin Brundle.
Se a Renault deixou o tribunal do Conselho aliviada por ter saído praticamente ilesa, o mesmo não se pode dizer de Flavio Briatore — que não esteve em Paris. O italiano foi banido da F1 para sempre e, além disso, está proibido de comparecer em eventos organizados pela FIA nas áreas de jurisdição da federação — a saber, paddocks e bastidores. Além disso, ele não pode mais ter nenhum envolvimento com o esporte a motor, e os pilotos que o tiverem como empresário não terão direito à superlicença. Atualmente, Mark Webber, Heikki Kovalainen e Romain Grosjean, além de Nelsinho, têm o italiano como representante.

O presidente da FIA, Max Mosley, falou sobre a sentença dada à Renault — que, de acordo com o julgamento, cometeu um ato de "severidade sem paralelos" na F1. "Nós demos a punição porque a equipe demonstrou que não teve responsabilidade no caso, e muito menos a empresa Renault. E, para Briatore, a pena foi de não poder mais se comprometer com as categorias da FIA." Sobre Alonso, o dirigente garantiu que o espanhol foi prestativo durante seu comparecimento no Conselho. "Ele respondeu a todas as perguntas e demonstrou não ter nenhuma responsabilidade no caso", declarou Mosley.
Fonte (GP)

sábado, setembro 19, 2009

FÓRMULA INDY

FAZENDO UM ÓTIMO TRABALHO, SCOTT DIXON VENÇE NO JAPÃO E PRATICAMENTE PÕE A MÃO NA TAÇA; BRISCOE ERRA FEIO E COMPLICA AS COISAS.
Rápido no momento certo, Scott Dixon venceu o GP de Motegi da Indy, neste sábado (19). O atual campeão da categoria ficou mais perto de um novo título após Ryan Briscoe, que tinha confortáveis 25 pontos de diferença para o segundo colocado na temporada, bater sozinho nos boxes e terminar a prova em 18º. Em segundo, ficou Dario Franchitti, numa mostra fiel da força da Ganassi na corrida. O terceiro foi Graham Rahal, seguido pelo companheiro Oriol Servià, em excelente corrida. Apesar de um problema no primeiro pit-stop, Mario Moraes conseguiu se recuperar na pista e terminou a disputa no quinto lugar.Agora, o campeonato é liderado por Dixon, que alcançou 570 pontos. Dario tem 565 e Briscoe três a menos do que o escocês. Assim, quem vencer em Homestead, no dia 10 de outubro, sai com o título — exceto se Dixon for segundo e liderar o maior numero de voltas. O lance decisivo da corrida — e provavelmente da temporada — foi de Briscoe. O australiano tinha atuação tranquila, sem se expor. Na segunda parada nos boxes, entretanto, cometeu um erro absurdo. Na saída do pit, fazendo o aquecimento dos pneus, derrapou, atropelou um cone e foi no muro interno.A falha impressionante só não lhe foi mais prejudicial porque, quase concomitantemente, Mike Conway causou a primeira bandeira amarela da prova. Com os carros atrás do safety-car, o conserto de emergência feito pela Penske no eixo e no rolamento da roda dianteira esquerda durou "só" 12 voltas do líder.
Se Dixon e Franchitti já se alternavam na liderança com Briscoe na pista, sem ele a dupla da Ganassi ficou ainda mais tranquila para abrir vantagem para os rivais. Moraes, que terminou no quinto posto, teve sua prova atrapalhada pela bomba de combustível da KV: na primeira parada, apesar dos esforços dos membros da equipe, o combustível não entrou na quantidade prevista. Assim, o brasileiro teve de fazer um pit-stop a mais.Em prova sólida, Raphael Matos terminou em nono. O piloto da Luczo Dragon se envolveu em boas disputas com Justin Wilson, nas primeiras voltas, e com Mario, na relargada após o forte acidente de Ryan Hunter-Reay — que ocasionou a segunda interrupção da corrida, no giro 160.Helio Castroneves e Tony Kanaan fizeram corridas de recuperação, partindo do fundo do grid. Fizeram o possível e terminaram no décimo e no 11º lugares.
Faltando uma prova para a decisão, o GP de MIAMI no circuíto de Homestead no dia 10/10, o campeonato ficou assim:

1. Scott Dixon - 570
2. Dario Franchitti - 565
3. Ryan Briscoe - 562
4. Helio Castroneves - 403
5. Danica Patrick - 381

sexta-feira, setembro 18, 2009

CALENDÁRIO PRO FIM DE SEMANA.

CONFIRA AQUI A AGENDA PRO FINAL DE SEMANA:

http://www.superspeedway.com.br/noticias/agenda.asp



ALÉM DISSO TEREMOS:






BOM DIVERTIMENTO A TODOS!!

E NÃO ESQUEÇAM NO PRÓXIMO DIA 27/09, CAMPEONATO GAÚCHO DE SOM AUTOMOTIVO TUNNING E REBAIXADOS ETAPA TAPERA.

(Inscrições e ingressos no local! Informações: 54 9925 6723.)

FÓRMULA 1 ... E ROLARAM CABEÇAS...

Cabeças rolaram... a de Briatore e Symonds! A Renault demitiu os dois para preservar o nome da escuderia e não ser punida também pela FIA. Agora Briatore diz que ele é quem pediu para sair e não prejudicar mais a equipe, será?
Bom o que importa é que os dois estão fora da Renault, Nelsinho apesar de sua "delação premiada", também está em maus lençois, porque os ex-colegas e as próprias equipes não o veem com bons olhos depois do episódio de Cingapura ter vindo à tona.
Entre discussões, ameaças de processo de ambas as partes, Briatore e os Piquets, a última é a de Piquet(pai) que vai aguardar a decisão da FIA para entrar contra Briatore por quebra de contrato e, olhem só e pasmem: - Apesar de Nelsinho ter sido demitido da Renault e da crise com o ex-dirigente, Briatore ainda é representante dele e tem direito a um percentual do que ele ganhará nos próximos anos, e por isso não podem nem tentar uma negociação com os outros times. Já do outro lado Briatore esta movendo uma ação contra os Piquets por tentativa de extorsão.

É uma pena que a F1 descambou pra esse caminho. Quem perde são os patrocinadores e principalmente os fãs.

terça-feira, setembro 15, 2009

CAMPEONATO DE SOM AUTOMOTIVO TUNNING E REBAIXADOS


É ISSO AI GALERA.. DIA 27 DE SETEMBRO NO PARQUE DE EXPOSIÇÕES DE TAPERA. INSCRIÇÕES NO LOCAL. CONTATO E INFORMAÇÕES: 54 9925 6723 e 9166 8100.
COMPAREÇAM E DIVIRTAM-SE!

FÓRMULA 1 - CABEÇA(S)?... VÃO ROLAR!

Após oferecer imunidade a Nelsinho Piquet e Pat Symonds, FIA fecharia um acordo com a Renault para tirar Flavio Briatore da categoria, afirmou o diário espanhol "AS".

A situação de Flavio Briatore é muito complicada. Depois de oferecer delação premiada a Nelsinho Piquet e Pat Symonds – o filho do tricampeão Nelson Piquet aceitou, o dirigente ainda não –, a FIA deve fazer um acordo com a Renault para que o italiano deixe a equipe francesa, de acordo com informações do jornal espanhol "AS" publicadas nesta terça-feira (15).Assim, o time gaulês não correria nenhum risco de expulsão da F1 por causa do caso Cingapura 2008 – após ser demitido, o piloto brasileiro revelou à Federação Internacional de Automobilismo que bateu na prova asiática no ano passado deliberadamente, a mando de Briatore e Symonds, beneficiar Fernando Alonso, que venceu aquela corrida. A polêmica será julgada pelo Conselho Mundial, em Paris, na próxima segunda-feira (21).O diário também apontou quem deve ser o substituto de Flavio. O preferido é Frederic Vasseur, chefe da ART, equipe do campeão da GP2 em 2009, Nico Hulkenberg. O dirigente, segundo as fontes ouvidas pela publicação, teria pedido um tempo para pensar no convite e dar uma resposta. Outros nomes já foram especulados, como Alain Prost e David Richards.

sequência de notícias nos últimos dias vem mostrando que a FIA, representada por Max Mosley, quer transformar Briatore no único "vilão" da história. O presidente da entidade vive seus últimos dias de mandato e sua última missão parece ser acabar com a carreira do italiano na F1.Mosley foi avisado do escândalo por Nelson Piquet em 26 de julho, dia do GP da Hungria. Depois, garantiu imunidade a Nelsinho. Assim, quatro dias depois do encontro entre o inglês e o tricampeão mundial, o ex-representante da Renault deu um depoimento à FIA sobre o que aconteceu no GP de Cingapura da temporada passada sabendo que não iria sofrer nenhuma sanção no futuro. No depoimento, Piquet, de forma bem detalhista, confirmou o plano de Briatore e Symonds de "sacrificar" a corrida do brasileiro para que Alonso tivesse a oportunidade de vencer a prova.De posse da acusação de Nelsinho, investigadores da agência especializada Quest, os comissários do GP da Bélgica – Lars Osterlind e Vassilis Despotopoulos, ambos membros do Conselho Mundial, e Yves Bacquelaine –, Herbie Blash, observador da FIA, deram início às investigações, entrevistando membros da Renault e Alonso. A posteriori, chamaram Symonds.Posto na parede em 27 de agosto em Spa-Francorchamps, o diretor da Renault foi questionado sobre a reunião e o que foi dito nela, a batida na volta 14 e o encontro com Piquet para definir o lugar específico do ato. Para nenhuma destas perguntas houve uma negativa, algo que seria comum se não houvesse participação no plano.Blash ainda comentou que a "falta de vontade" em colaborar poderia significar uma confissão, e Symonds rebateu que "esperava isso". No dia seguinte, Pat foi novamente convocado, e pouco acrescentou — após ter conversado com Briatore, que havia chegado à pista belga.

Depois de analisar a telemetria do carro do brasileiro e vários depoimentos, os comissários do GP da Bélgica decidiram enviar a questão ao Conselho Mundial. Eles não puderam questionar Piquet sobre as alegações de Symonds de que foi o piloto quem levantou a possibilidade de uma batida intencional, mas consideraram que a admissão do dirigente de que houve a discussão da possibilidade é um "suporte substancial" da alegação de Nelsinho de que a batida foi deliberada.Segundo os comissários, a soma de vários fatores levaram a "concluir que as alegações de Piquet são, em sua maior parte, verdadeiras". Estas questões foram a confissão de Symonds de que conversou com o brasileiro, sua recusa em responder nos dias 27 e 28 o que foi discutido quando ele, Nelsinho e Briatore se encontraram antes da corrida, e, por último, sua recusa em negar que indicou onde e em que volta o piloto deveria bater.As alegações de Piquet e as respostas e recusas de Symonds em responder foram o que conduziu os representantes da FIA àquela conclusão. "Parece indicar aos comissários que poder ter havido alguma conversa na presençade Briatore sobre a possibilidade de causar uma batida deliberada", diz o relatório feito sobre a investigação. Apesar disso, não se declararam prontos "para tirar qualquer conclusão definitiva em relação ao conhecimento ou envolvimento de Flavio".Ainda assim, o documento declara que "a reação de Briatore quando ouviu dos comissários que seu diretor de engenharia havia admitido que discutiu um acidente proposital com Piquet não pareceu ser de susto ou raiva" e que a carta de Flavio a Nelson Piquet é uma "estranha reação à tal séria alegação" de extorsão por parte do tricampeão para a manutenção do filho na equipe.Para fechar o cerco a Briatore, a FIA resolveu oferecer imunidade também a Symonds, desde que o dirigente confessasse o que realmente sabe sobre as acusações de Nelsinho, de acordo com matéria do jornal inglês "The Times". Ainda não se sabe se o diretor de engenharia da equipe francesa aceitou o acordo.
Fonte GP

domingo, setembro 13, 2009

CAMPEONATO GAÚCHO DE SOM AUTOMOTIVO TUNNING E REBAIXADOS


GP DA ITÁLIA, DEU BRASIL!

COM UMA ESTRATÉGIA BEM SUCEDIDA E UM EXCELENTE DESEMPENHO, RUBENS BARRICHELLO VENÇE O GP DA ITÁLIA NO CIRCUÍTO DE MONZA NESTE DOMINGO(13).

Monza é mesmo um circuito especial para Rubens Barrichello. O brasileiro fez neste domingo (13) uma corrida impecável no tradicional circuito italiano e conquistou pela terceira vez o GP da Itália, contando com um ótimo desempenho e uma ótima estratégia da Brawn. Barrichello dominou a dobradinha da sua equipe com Jenson Button, enquanto Kimi Raikkonen conseguiu um inesperado lugar ao pódio após um acidente de Lewis Hamilton na última volta.

Hamilton perdeu seu lugar no pódio nas últimas curvas. O inglês perdeu o controle na saída da primeira curva de Lesmo e bateu de frente no muro, deixando a pista cheia de pedaços da sua McLaren e provocando uma bandeira amarela, obrigando até mesmo o safety-car a entrar no traçado.

Barrichello, enfim, recebeu a bandeira quadriculada, a segunda desta temporada. O brasileiro coroou seu ótimo trabalho — e também da Brawn, com uma estratégia acertada no uso do combustível — liderando a dobradinha da Brawn, no retorno de Button ao pódio após cinco provas longe dos três primeiros lugares. O 1-2 do time de Brackley foi o quarto na temporada, o primeiro liderado por Rubens.
Kimi foi o terceiro, com a incrível Force India de Sutil em quarto. Alonso levou quatro pontos para a Renault ao chegar em quinto, à frente de Kovalainen e Nick Heidfeld, e Sebastian Vettel, discreto, completou a zona de pontos.

Agora, a briga pelo título parece restrita a Barrichello e Button. Button tem 14 pontos de vantagem na ponta, com 80 pontos contra 66 do veterano. Vettel, com o oitavo posto, ficou com 54, enquanto Webber estacionou nos 51,5. A F1 volta à ativa daqui a duas semanas, em Cingapura — palco de toda a polêmica que precedeu a prova em Monza —, na segunda corrida noturna da história da categoria.

GRID DE CHEGADA DO GP DA ITÁLIA


  1. R BARRICHELLO - BRAWN

  2. J BUTTON - BRAWN

  3. K RAIKKONEN - FERRARI

  4. A SUTIL - FORCE INDIA

  5. F ALONSO - RENAULT

  6. H KOVALAINEN - McLAREN

  7. N HEIDFELD - BMW

  8. S VETTEL - RBR

  9. G FISICHELLA - FERRARI

  10. K NAKAJIMA - WILLIANS

sábado, setembro 12, 2009

FÓRMULA 1 GP DA ITÁLIA

DADOS TÉCNICOS:

Extensão: 5793 metros
Distância: 53 voltas = 306,720 km
Tipo de Asfalto: Liso
Desgaste dos Freios: Alto
Desgaste dos Pneus: Médio
Ponto Crítico: A curva Parabólica, de raio longo, que fecha a volta antes da grande reta. Após uma freada forte, ela é percorrida quase em aceleração plena, com a velocidade sendo controlada nas mudanças de marcha.
Perfil: Um templo do esporte a motor, o autódromo de Monza foi inaugurado na década de 1920, sendo palco, desde então, de muitas corridas e histórias memoráveis. Nos anos cinqüenta, a construção de um circuito oval complementar ao traçado de alta velocidade tornou a pista italiana ainda mais ameaçadora para os pilotos. Hoje este trecho está aposentado, mas o traçado cheio de retas longas e curvas de alta que recebe a Fórmula 1 desde a primeira temporada ainda sobrevive. Com o tempo, ele foi ganhando algumas variantes para amenizar as médias de volta assustadoras atingidas nos anos setenta. Por ser também o palco onde a Ferrari corre em casa, Monza recebe a fanática torcida italiana – os chamados “tiffosi” – que colorem as arquibancadas e invadem a pista ao final de cada evento, seja qual for a categoria. O traçado não tem muito mistério, exigindo mesmo resistência e potência dos carros.
Em nenhuma outra pista do calendário o acelerador é tão utilizado. Ao longo dos quase 5800 metros de cada volta, são poucos os trechos nos quais os pilotos aliviam a velocidade. Justamente por causa disso, um bom perfil aerodinâmico faz diferença, ajudando na aderência do carro e no aproveitamento da potência dos motores. Estes, por sinal, também precisam aguentar o alto grau de exigência a que são submetidos, já que trabalham em giros altos nas diversas retas do circuito italiano.

Como foi em 2008:
Antes daquela corrida, o mundo já admirava o talento do jovem Sebastian Vettel. Mas a atuação do alemão no GP da Itália de 2008 abriu os olhos dos que procuravam um potencial campeão. Em sua 22ª participação na Fórmula 1™, Vettel levou o carro da modesta Toro Rosso (antiga Minardi) à pole position. Depois, com uma tocada segura e constante ao longo da prova, construiu uma vantagem segura para a McLaren de Heikki Kovalainen. O terceiro lugar ficou com Robert Kubica, que partira em 11º com a BMW. Em meio à chuva, a esperança dos brasileiros foi por água abaixo: Felipe Massa terminou em 6º, Nelsinho Piquet em 10º e Rubens Barrichello, em 17º.

GRID DE LARGADA PARA ESTE DOMINGO(13):
  1. L HAMILTON - McLAREN
  2. A SUTIL - FORCE INDIA
  3. K RAIKKONEN - FERRARI
  4. H KOVALAINEN - McLAREN
  5. R BARRICHELLO - BRAWN
  6. J BUTTON - BRAWN
  7. V LIUZI -FORCE INDIA
  8. F ALONSO - RENAULT
  9. S VETTEL - RBR
  10. M WEBBER - RBR

Volta virtual no Circuito de Monza:


video

sexta-feira, setembro 11, 2009

CAMPEONATO GAÚCHO DE SOM AUTOMOTIVO TUNNING E REBAIXADOS


INFORMAÇÕES: 54 9925 6723 COM GERSON
INSCRIÇÕES NO LOCAL.

FÓRMULA 1

TA AI A BOMBA DA SEMANA MAIS UMA VEZ!
Investigação conduzida pela FIA conclui que alegações de Nelsinho Piquet de armação no GP de Cingapura do ano passado são verdadeiras.
A investigação que a FIA conduziu sobre o caso Cingapura concluiu, após a denúncia de Nelsinho Piquet, dados da telemetria e (a falta de) declarações de Pat Symonds que as acusações do brasileiro referente ao acidente deliberado são, "em larga parte, verdadeiras".O dossiê detalha datas e dados, legenda telemetria e indica esboços de respostas de Symonds que acabam representando uma confissão indireta do plano que armou uma batida de Nelsinho na volta 14 daquela corrida para beneficiar Fernando Alonso, que acabou como vencedor.Piquet foi convocado para ir à sede da FIA em Paris para prestar depoimento sobre o episódio cingapuriano quatro dias depois de seu pai, Nelsão, avisar Max Mosley do ocorrido. Nelsinho esclarece que participou de uma reunião com Flavio Briatore e Symonds em que ficou acordado o acidente proposital entre as voltas 13 e 14, fato que se daria depois da parada de Alonso nos pits para troca de pneus e reabastecimento.Além do já divulgado dias atrás, Nelsinho explicou que, para perder o controle de seu carro na saída da curva 17, tocou o acelerador antes do previsto. Quando estava rodando, instintivamente tirou o pé do pedal e depois voltou a pressioná-lo, "quase 100%", até haver o choque no muro de concreto. "Os dados de telemetria mostram claramente isso", afirmou Piquet.
De posse da acusação de Piquet, investigadores da agência especializada Quest, os comissários do GP da Bélgica — Lars Osterlind e Vassilis Despotopoulos, ambos membros do Conselho Mundial da FIA, e Yves Bacquelaine —, Herbie Blash, observador da FIA, deram início às investigações, entrevistando membros da Renault e Alonso, e a posteriori chamaram Symonds. Posto na parede em 27 de agosto em Spa-Francorchamps, o diretor da Renault foi questionado sobre a reunião e o que foi dito nela, a batida na volta 14 e o encontro com Piquet para definir o lugar específico do ato. Para nenhuma destas perguntas houve uma negativa, algo que seria comum se não houvesse participação no plano. Blash ainda comentou que a "falta de vontade" em colaborar poderia significar uma confissão, e Symonds rebateu que "esperava isso". No dia seguinte, Pat foi novamente convocado, e pouco acrescentou — após ter conversado com Briatore, que havia chegado à pista belga.
Eis o diálogo de Blash com Symonds:
Comissário da FIA: (Com relação à reunião de Cingapura envolvendo Flavio Briatore, Pat Symonds e Nelsinho Piquet) Em suas próprias palavras, Symonds, você se lembra do que foi dito a Nelsinho Piquet naquela reunião? Isto é, pouco antes da corrida. Symonds: Eu realmente não me lembro.
Comissário da FIA: Você não se lembra? Symonds: Não.
Comissário da FIA: Nelsinho Piquet afirmou que você pediu para que ele causasse uma falha deliberada. Isso é verdade? Symonds: Nelson tinha falado comigo no dia anterior e sugeriu isso. É isso o que gostaria de dizer.
Comissário da FIA: Symonds, você estava ciente de que haveria um acidente na volta 14? Symonds: Eu não quero responder a essa pergunta.
Comissário da FIA: Há apenas uma coisa que eu quero perguntar e vou colocá-la de uma forma que você possa pensar a respeito, pelo menos. Piquet diz ter tido uma primeira reunião com você e Flavio Briatore. Depois, você encontrou com ele individualmente com o mapa do circuito. Você se lembra disso? Symonds: Eu não vou responder. Prefiro não responder a isso. Não me lembro, mas parece que a conversa de Nelson foi sobre mais do que isso.
Comissário da FIA: Piquet também diz que, nessa reunião, você apontou um lugar específico do circuito onde ele deveria bater e disse que o local era o mais afastado de qualquer um dos equipamentos de segurança ou de elevação e onde existia a chance mais provável do carro de segurança ser acionado.Symonds: Eu não... Não quero responder a essa pergunta.
Comissário da FIA: Porque, só para ficar bem claro aqui, que Nelson Piquet Jr. disse que, nessa reunião, foi você que pediu para que o acidente acontecesse de forma deliberada. Symonds: Eu não posso te responder.
Comissário da FIA: Se eu pudesse dizer que, Symonds, você foi colocado na posição de pedir que Piquet causasse o acidente, seria muito melhor. Seria muito melhor para você a longo prazo.Symonds: Compreendo perfeitamente isso.
Comissário da FIA: Sim. Symonds: Eu não tenho intenção de mentir para você. Não menti para você, mas eu tenho de preservar, ao menos um pouco, a minha posição.
Comissário da FIA: E você está ciente de que os comissários podem tirar conclusões a partir de sua falta de disposição para auxiliá-los em relação ao que se passou nessa reunião? Symonds: Eu gostaria de esperar. Gostaria de esperar, absolutamente.
Comissário da FIA: Eu acho que não tenho dúvidas. Symonds também foi questionado sobre a impressão do incidente, via telemetria, tanto do carro de Alonso quanto do de Piquet. As cópias foram mostradas a ele.
Comissário da FIA: Eu acho que você já sabe o que vou lhe perguntar aqui. Symonds: Eu acho que sim.
Comissário da FIA: Há um giro mais significante gravado aqui. Você vai ver que foi marcado pelo departamento técnico da FIA como um rápido aumento de aplicação do pedal do acelerador .Symonds: Hum.
Comissário da FIA: Não, está no acelerador. Há uma ligeira liberação do acelerador quando as rodas começam a girar, mas quando estão mais elevadas, parece haver uma reaplicação do acelerador em quase 100%.Symonds: Sim.
Comissário da FIA: Vou dizer para você, Symonds, que isso é uma parte muito incomum da telemetria e que sugere que este pode ter sido um acidente proposital.Symonds: Concordo que é incomum.
Comissário da FIA: Você diria que foi uma batida deliberada?Symonds: Não tenho certeza de que eu já vi uma colisão deliberada, por isso eu ... Os dados são muito incomuns.Comissário da FIA: É contra-intuitivo para um piloto colocar o pé no acelerador por completo quando ele está rodando, não, Symonds?Symonds: É. Sim, quando ele está rodando, é contra-intuitivo.
Briatore, então, foi o alvo. Negou tudo. Disse que ficou sabendo por um membro de sua empresa de gerenciamento de pilotos sobre a acusação da armação e que foi, tal como já dito, vítima de extorsão da família Piquet e que levaria o caso à justiça se este viesse à tona.Foi o que fez.Só depois das entrevistas feitas que a FIA e a Quest tiveram acesso aos dados da Renault, em disco, e à transmissão de rádio. As informações da equipe apontavam as estratégias de corrida, que davam a Alonso a chance de parar duas ou três vezes. Em ambas, o espanhol largaria com uma quantidade de gasolina parca, de 63 kg, que o faria ir aos pits na volta 14. Para Nelsinho, a tática seria de duas paradas, com combustível considerado normal, nas voltas 28 e 44.Symonds acabou, então, mudando o estratagema de Alonso durante a corrida, fazendo-o parar duas voltas antes do previsto.As gravações de rádio mostram um Symonds nervoso por Alonso estar perdendo tempo sem conseguir superar um rival. "Enquanto estivermos atrás de (Kazuki) Nakajima, estamos fodidos", bravejou. Um engenheiro concordou, dizendo que "sim, vai foder nossa estratégia de três paradas completamente".Symonds surpreendeu o engenheiro — e daí imaginar que ninguém mais na Renault sabia da conspiração — com a informação de que não seriam mais três paradas. O funcionário lembrou que, pelo desenrolar da corrida de Alonso, a ida ao pit poderia acontecer na volta 15 ou 16. Respondeu Symonds: "Não se preocupe com o combustível porque eu vou tirá-lo desse tráfego mais cedo."Enquanto Symonds "lamentava" Alonso não passar Nakajima, o dirigente reclamava um suposto problema nos computadores. O japonês da Williams, então, passou Jarno Trulli. No giro seguinte, o espanhol fez o mesmo, mas permitiu que Kazuki abrisse 4s de vantagem.Concomitante a isso, Piquet perguntava em que volta estava. Era a 8. A um engenheiro, que pensava que a dúvida de Nelsinho se dava por conta do consumo de gasolina, Symonds falou que "só fala para ele que está... está para completar... completar a volta 8". O brasileiro explicou que não conseguia ver a placa dos boxes.Apesar de começar a andar quase 1s5 mais rápido que Nakajima, Alonso avisou que estava com problemas de aderência em seus pneus. Apareceu na história Briatore, que disse: "Não tem como passar Nakajima com esses pneus".Aí Symonds "mudou" a estratégia. Apontou que Alonso pararia na 12, "porque parece que vai dar certo". Um engenheiro perguntou a Pat "se não era um pouco cedo", e Symonds "teimou". Briatore concordou com um "não temos nada a perder". Alonso, então, fez sua parada."Certo, vamos nos concentrar em Nelson", comentou Symonds. Piquet estava atrás de Rubens Barrichello e, apesar da pressão, não o superava. "Fala para ele pisar fundo", pediu Briatore. Symonds começou a observar o tempo de volta de Nelsinho. Trinta segundos depois, o brasileiro abria a 14.Symonds pediu ao engenheiro de Piquet que "você tem que forçá-lo muito agora. Se ele não conseguir passar Barrichello, ele... ele não vai a lugar nenhum. Ele tem que passar Barrichello nesta volta". Segundos depois, veio a batida.Briatore reagiu com uma série de palavrões, um "foda, ele não é piloto". Mesmo assim, manteve seu "não-piloto" para a temporada 2009, com uma redução salarial, de US$ 1,5 milhão para US$ 1 milhão, e um contrato com base numa cláusula de performance.Depois de analisar a telemetria e os depoimentos, os comissários do GP da Bélgica decidiram enviar a questão ao Conselho Mundial. Eles não puderam questionar Piquet sobre as alegações de Symonds de que foi o piloto quem levantou a possibilidade de uma batida intencional, mas consideraram que a admissão de Symonds de que houve a discussão da possibilidade é um "suporte substancial" da alegação de Piquet de que a batida foi deliberada.Segundo os comissários, a soma de vários fatores levaram a "concluir que as alegações de Piquet são, em sua maior parte, verdadeiras." Estas questões foram a confissão de Symonds de que conversou com Piquet, sua recusa em responder nos dias 27 e 28 o que foi discutido quando ele, Piquet e Briatore se encontraram antes da corrida, e, por último, sua recusa em negar que indicou onde e em que volta Piquet deveria bater.O relatório destaca que os comissários não consideraram somente a telemetria para ter uma evidência conclusiva de que Nelsinho se acidentou intencionalmente, mas usaram a confissão como base para saber como ele causou a batida.Pouco depois, o relatório reitera que foram as alegações de Piquet e as respostas e recusas de Symonds em responder o que conduziu os representantes da FIA àquela conclusão. "Parece indicar aos comissários que poder ter havido alguma conversa na presença de Briatore sobre a possibilidade de causar uma batida deliberada", diz o texto. Apesar disso, não se declararam prontos "para tirar qualquer conclusão definitiva em relação ao conhecimento ou envolvimento de Briatore".Ainda assim, o documento declara que "a reação de Briatore quando ouviu dos comissários que seu diretor de engenharia havia admitido que discutiu um acidente proposital com Piquet não pareceu ser de susto ou raiva" e que a carta de Flavio a Nelson Piquet é uma "estranha reação à tal séria alegação" de extorsão por parte do tricampeão para a manutenção do filho na equipe.O texto levanta suspeitas sobre a veracidade da acusação de Flavio."A resposta mais lógica vinda de uma posição de inocência poderia ter sido a abertura de uma investigação interna ou relatar as alegações à FIA, tomando todas as providências necessárias para confirmar que elas eram infundadas, acabando, deste modo, com a suposta ameaça de extorsão."O relatório da FIA é finalizado com a confirmação de que "existe uma evidência que, no geral, sugere que a batida de Piquet foi deliberada e fazia parte de um plano destinado a assegurar um benefício para a equipe, em que pelo menos um membro da cúpula da Renault foi cúmplice."

CAMPEONATO GAÚCHO DE SOM AUTOMOTIVO TUNNING E REBAIXADOS


NÃO PERCAM!! INSCRIÇÕES NO LOCAL
INFORMAÇÕES: 54 9925 6723 e 54 9166 8100 COM GERSON

quinta-feira, setembro 10, 2009

FÓRMULA 1

APESAR DA GARANTIA DA FIA DE QUE NÃO SERÁ PUNIDO, AO DELATAR A ARMAÇÃO DA RENAULT, NELSINHO ESTA EM UMA SITUAÇÃO MUITO DIFÍCIL, ATÉ OS PRÓPRIOS PILOTOS ESTÃO COM UM PÉ ATRÁZ EM RELAÇÃO AO CARÁTER DO BRASILEIRO.
"Se alguém tiver a capacidade de fazer isso, é porque não merece estar no esporte. Essa é a minha visão", afirmou nesta quinta-feira (10) em entrevista aos jornalistas brasileiros em Monza, Rubens Barrichello.
"O fato de Piquet ter causado propositalmente o acidente na prova noturna de 2008, com o objetivo de beneficiar o companheiro de equipe Fernando Alonso, é algo "chocante. Se foi intencional, então isso é uma surpresa para mim, sim. É algo muito chocante. É impressionante e de uma forma negativa", Disse Nico Rosberg.

VEJA NA ÍNTEGRA A TRADUÇÃO DO DEPOIMENTO DE NELSINHO A FIA:

Eu, Nelson Angelo Piquet, nascido em 25 de julho de 1985, em Heidelberg, Alemanha ... digo o seguinte:
1. Salvo o que for dito de outra maneira, os fatos e declarações contidos neste depoimento são baseados em fatos e assuntos de meu conhecimento. Acredito que tais fatos e declarações contidos neste depoimento são verdadeiros e corretos. Onde quaisquer fatos e depoimentos não forem do meu inteiro conhecimento, são verdadeiros conforme meu conhecimento e lembrança e, se apropriado, eu indico a fonte do meu conhecimento e lembrança.
2. Faço este depoimento voluntariamente para a FIA e com a finalidade de permitir à FIA que exerça as suas funções de supervisão e de regulamentação no que diz respeito ao Mundial de F1. 3. Estou ciente de que existe um dever a todos os participantes do Mundial de F1 e a todos os portadores da superlicença para garantir a justiça e a legitimidade do campeonato e estou ciente de que graves consequências podem ocorrer se eu der à FIA qualquer declaração falsa ou enganosa.
4. Eu tenho ciência de que o meu depoimento completo foi gravado em uma fita de áudio e que uma transcrição completa da minha gravação de áudio será disponibilizada para mim e para a FIA. O presente documento constitui um resumo dos principais pontos feitos durante a minha declaração oral.
5. Gostaria de trazer os seguintes fatos ao conhecimento da FIA.
6. Durante o GP de Cingapura de F1, organizado em 28 de setembro de 2008 e válido pelo Campeonato Mundial do mesmo ano, fui orientado por Flavio Briatore, meu empresário e chefe de equipe da Renault, e por Pat Symonds, diretor-técnico da Renault, a deliberadamente bater meu carro para influenciar de forma positiva o desempenho da equipe no evento em questão. Concordei com a proposta e causei um acidente ao bater com meu carro no muro durante a 13ª/14ª volta da prova.
7. A proposta de causar deliberadamente um acidente foi feita a mim pouco antes da corrida, quando fui chamado por Briatore e Symonds ao escritório de Briatore. Symonds, na presença de Briatore, me perguntou se eu estaria disposto a sacrificar minha corrida pela equipe "causando um safety-car". Todos os pilotos de F1 sabem que o safety-car é liberado quando há um acidente que bloqueie a pista, seja por destroços de uma batida ou por um carro parado, assim como quando há dificuldade de remover um carro danificado, como foi o caso.
8. Na época em que aconteceu a conversa, eu estava em um estado emocional muito frágil. Isso foi causado pelo intenso estresse provocado pela recusa de Briatore em me informar se meu contrato de piloto seria ou não renovado para a próxima temporada (2009), como costumeiramente é o caso no meio do ano (entre julho e agosto). Ao invés disso, Briatore repetidamente me pediu para assinar uma "opção", que significava que eu não poderia negociar com nenhuma outra equipe neste período. Ele seguidamente me pressionava a prolongar a opção que eu havia assinado, e regularmente me chamava ao seu escritório para falar sobre essas renovações, até mesmo em dias de corrida — em um momento que deveria ser de concentração e relaxamento antes da prova. Este estresse era acentuado pelo fato de que eu havia me classificado na 16ª posição no grid para o GP de Cingapura, então estava muito inseguro com relação ao meu futuro na Renault. Quando fui pedido para bater meu carro e causar um safety-car para ajudar o time, aceitei, pois esperava que isso fosse melhorar minha posição na equipe neste período crítico da temporada. Em nenhum momento ninguém me disse que, por concordar em causar um incidente, teria garantido a renovação do meu contrato ou qualquer outra vantagem. Entretanto, no contexto, pensei que isso me ajudaria a alcançar este objetivo. Por isso, concordei em provocar o incidente.
9. Depois do encontro com Symonds e com Briatore, Symonds me levou a um canto tranquilo e, usando um mapa, me indicou exatamente a curva em que eu deveria bater. Esta curva foi escolhida por causa do local específico da pista, que não tinha guindastes para suspender e levar rapidamente um carro danificado para fora, nem qualquer abertura na pista, o que permitiria a um fiscal retirar rapidamente o carro. Portanto, considerou-se que um acidente naquele lugar específico quase com certeza causaria uma obstrução da pista, o que resultaria na entrada do safety-car para permitir a liberação dela e garantir a continuação em segurança da corrida.
10. Symonds também me disse exatamente em que volta eu deveria causar o incidente, de modo que uma estratégia pudesse ser implantada para que o meu companheiro, Fernando Alonso, pudesse reabastecer nos boxes pouco antes da entrada do safety-car, o que ele de fato fez na volta 12. A chave para essa tática residia na quase certeza de que o safety-car entraria na pista nas voltas 13 ou 14, permitindo ao time fazer Alonso largar com uma estratégia de combustível agressiva, usando um carro leve com gasolina suficiente para parar na volta 12, mas não mais do que isso. Isso permitiria a Alonso ultrapassar tantos carros (mais pesados) fosse possível, sabendo que, depois, aqueles carros teriam dificuldades de alcançá-lo pela posterior entrada do safety-car. Esta estratégia foi bem-sucedida, e Alonso venceu o GP de Cingapura de F1 em 2008.
11. Durante estas discussões, não foi feita nenhuma menção em relação às implicações de segurança dessa tática, seja para mim, para o público ou para os outros pilotos. O único comentário feito neste contexto foi de Pat Symonds, que me alertou para "ter cuidado", o que eu interpretei como não me contundir.
12. Eu causei intencionalmente a batida, deixando perder o controle do carro pouco antes da curva pertinente. A fim de me certificar de que eu causaria o incidente durante a volta certa, eu perguntei à equipe por diversas vezes o número da volta em que estávamos, o que normalmente não faço. Nem eu, nem ninguém se lesionou no acidente.
13. Após as discussões com Briatore e com Symonds, descritas acima, a "estratégia do acidente" nunca mais foi discutida novamente com qualquer um deles. Briatore disse discretamente "obrigado" após o final da corrida, sem mencionar mais nada. Não sei se alguém tinha conhecimento desta estratégia no início da prova.
14. Depois da corrida, eu informei a Felipe Vargas, um amigo da família e conselheiro, o fato de que o incidente havia sido deliberado. Vargas ainda informou ao meu pai, Nelson Piquet, algum tempo depois.
15. Após a prova, vários jornalistas fizeram perguntas sobre o acidente e me perguntaram se eu tinha feito de propósito, pois acharam o incidente "suspeito".
16. Na minha própria equipe, o engenheiro do meu carro questionou a natureza do incidente, pois considerou incomum, mas eu respondi que tinha perdido o controle do carro. Eu acredito que um engenheiro inteligente notaria pela telemetria do carro que o acidente foi proposital, porque continuei acelerando, enquanto que a reação "normal" seria a de usar o máximo de freio possível.
A afirmação foi feita na sede da FIA, em Paris, no dia 30 de julho de 2009, na presença de Alan Donnelly (presidente dos comissários da FIA), Martin Smith e de Jacob Marsh (ambos da empresa de investigações Quest, contratada pela FIA para ajudar na investigação).
Fonte (GP)

FÓRMULA 1

E O CIRCO PEGA FOGO!

Em depoimento a FIA Nelsinho confirma a ordem para que batesse o carro em Cingapura.

O depoimento dado por Nelsinho Piquet em 30 de julho aponta que Pat Symonds, ao lado de Flavio Briatore, pediu ao piloto que batesse deliberadamente para que ajudasse a equipe a vencer GP de Cingapura com Fernando Alonso.
O resultado do GP de Cingapura foi mesmo resultado de uma armação da Renault que contou com a participação de Nelsinho Piquet. O site "F1sa" divulgou nesta quinta-feira (10) a carta de quatro páginas com o depoimento que o brasileiro deu à FIA em 30 de julho, quatro dias depois do GP da Hungria, seu último pela Renault, em que confirma o plano do chefe Flavio Briatore e do diretor Pat Symonds de "sacrificar" a corrida do brasileiro para que Fernando Alonso tivesse a oportunidade de vencer a corrida.
Em 16 parágrafos, Piquet contou que aceitou a proposta feita por Briatore e Symonds de bater deliberadamente na corrida entre as voltas 13 e 14, num determinado ponto da pista em que definitivamente houvesse a necessidade da entrada do safety-car para que Alonso, recém-saído dos boxes após uma parada para troca de pneus e reabastecimento, subisse na classificação. Nelsinho ressaltou que só aceitou a proposta da cúpula da Renault por estar em um "estado emocional muito frágil" porque não sabia se seu contrato seria renovado para 2009.
Fonte (GP)

quarta-feira, setembro 09, 2009

FÓRMULA 1


O CASO CINGAPURA 2008! NELSON PIQUET(PAI), FAZ DENÚNCIA A FIA EM TROCA DE DELAÇÃO PREMIADA PARA LIVRAR NELSINHO.
A delação premiada deve salvar a pele de Nelsinho Piquet na F1. A investigação que transcorre sobre o GP de Cingapura de quase um ano atrás deve mirar em Flavio Briatore, e consequentemente na Renault, sem que sobre a Nelsinho, protagonista do acidente da volta 14 da primeira corrida noturna da história da categoria, apurou o Grande Prêmio.A história tem seu início na pressão exercida por seu empresário e chefe, face a ameaça de demissão no ano passado, e seu pavio na revelação de que a perda do controle do carro na saída da curva 18 do circuito de Marina Bay foi proposital e deliberada.
situação de Piquet na Renault em 2008, se não for da lembrança de todos, era similar à que viveu neste ano, com Briatore chegando ao pé do ouvido em tom de ameaças. Tirando o GP da Alemanha, em que conquistou um segundo lugar casual, por conta de uma estratégia de pits decorrente da entrada do safety-car por um acidente de Timo Glock, Nelsinho ficou apagado. E a Renault errou a mão no carro, e nem Fernando Alonso o salvava.Surgiu, então, um fim de semana em que o R28 andou na frente, o de Cingapura. O desespero de Alonso com o carro quebrado no treino classificatório em que pintava como favorito à pole foi a expressão máxima de quem via ali sua única chance de vitória se esvair. E logo depois, o plano começava a ganhar formas.Alonso largaria leve da 15ª posição e teria um número X voltas para fazer sua parada, muito antes até do que os ponteiros. O carro de segurança aparecia, o grupo ficaria junto até que os boxes fossem abertos, e aí o espanhol pularia lá para frente. Aí entrou Nelsinho. E Briatore exerceu a função que mais usou contra Nelsinho, a que o próprio definiu como carrasco.Era aceitar ser o cara que provocaria a entrada do SC para contento de Alonso ou a demissão da Renault. A garantia era a continuidade até o fim da temporada e seria ponto vital na renovação do contrato para 2009. Nelsinho acabou aceitando.Na volta 12, o carro 5, em 11º, fez sua parada nos pits. Dois giros mais tarde, o carro 6, em 16º, "perdia o controle" e enchia o muro até com violência. Então último por sua ida aos boxes, Alonso subiu para 16º na volta 15, ganhou uma posição na 17, aparecia em quinto na 18 e foi subindo até a ponta sem mais perdê-la na 34.
Piquet sofria ameaça constante de substituição pelo compatriota Lucas Di Grassi. O acordo cingapuriano o manteve até o fim do ano. O acordo cingapuriano foi decisivo para que seguisse na Renault nesta temporada, ainda que Briatore embutisse a cláusula de contrato que dava chance de defenestrá-lo se Nelsinho não conseguisse 40% dos pontos que Alonso tivesse obtido até metade do campeonato.E chegou na metade do ano, e Piquet estava zerado na pontuação. Após o GP da Alemanha, aquele em que largou na frente de Alonso, Nelsinho chegou a ser demitido. A notícia foi dada por Galvão Bueno, inclusive. Na terça, a readmissão. É que naquela manhã, em Mônaco, os Piquet relembraram o caso de Cingapura. Encostaram Briatore na parede. E o dirigente deu mais uma corrida a Piquet, tendo em seu carro todas as evoluções contidas no de Alonso.A saída veio após a Hungria. Nos bastidores, os Piquet arquitetavam a 'vendetta'. Contaram à FIA o episódio do ano passado. Segundo a revista "Autosport", Nelsão entrou em contato com Max Mosley para lhe contar do que havia ocorrido em Cingapura em 26 de julho, dia do GP da Hungria. Quatro dias depois, ainda de acordo com a "Autosport", o tricampeão foi à sede da FIA em Paris para dar um depoimento aos representantes da entidade.A FIA abriu investigação chamando os três comissários do GP de Cingapura, além de dois investigadores da Quest — uma firma de investigação de ex-agentes do FBI — dando garantias de que nada vai sobrar a Nelsinho. De posse dos dados da telemetria e com depoimentos de funcionários da Renault, a FIA chegou à conclusão de que a denúncia tem fundamento. E se assim for, deve punir Briatore e sobrar para a montadora francesa.O Conselho Mundial vai analisar o caso, com a defesa da Renault, no próximo dia 21. Briatore e Pat Symonds negam qualquer envolvimento no imbróglio, inclusive com este alegando que a batida teria sido premeditada por Nelsinho.
Fonte (GP)

terça-feira, setembro 08, 2009

CAMPEONATO GAÚCHO DE SOM AUTOMOTIVO TUNNING E REBAIXADOS

É ISSO AI GALERA, O CONVITE ESTA AI! SERÃO TODOS BEM VINDOS!!

INSCRIÇÕES NO LOCAL, INFORMAÇÕES: 54 9925 6723 ou 54 9166 8100.

segunda-feira, setembro 07, 2009

Essa é pra quem gosta de VELOCIDADE nas pistas!!

VOCÊ PERCEBE QUEM É VICIADO EM CARROS TURBINADOS QUANDO:
1. A velocidade de 140km/h parece perfeitamente normal e adequada para o centro da cidade.
2. Para as vias expressas, algo entre 160 e 180 km/h é absolutamente normal.
3. 200km/h é pouco em qualquer estrada.
4. Você acha estranho carros que desaceleram sem fazer barulho.
5. Se outro carro turbinado passa próximo a você, não importa o quanto devagar
ele esteja, ele está te provocando.
6. Qualquer carro original não anda nada.
7. Sua oficina é sua segunda casa.
8. Você sempre carrega uma corda e ferramentas no porta- malas para emergências.
9. Você passa a achar carros como passats, chevettes, gols, voyages, e qualquer coisa turbo-alimentada, o máximo.
10. Seu círculo de amizades muitas vezes restringe-se a mecânicos, preparadores e outros loucos como você.
11. Na maioria dos canhotos do seu cheque está escrito "peças" ou "fiz merda".
12. A idéia de outra pessoa dirigindo seu carro pouco difere de alguém comendo sua namorada.
13. A polícia é o inimigo N°1, sempre.
14. Você abre mão do conforto de ar-condicionado e da direção hidráulica, porque eles atrapalham a colocação da turbina.
15. Quando te perguntam o valor de algo, você não expressa em moeda, mas em unidades de pressão (ex. hum mil e quinhentos reais = 'um quilo e meio').
16. Postos de gasolina parecem um ótimo lugar para sair à noite.
17. A definição de sair com sua namorada é 'levá-la para assistir festivais de arrancada'.
18. Você esquece que seu carro tem buzina, pois ao invés dela você usa a descarga da turbina.. vruuumm...tssshiiiiiiiiiii
19. Seu carro tem mais relógios do que um avião.
20. Só você sabe como ligar seu carro.
21. Se alguém te der sinal de luz na estrada, automaticamente isto significa que ele quer ser deixado pra trás.
22. Radares e lombadas eletrônicas te dão pesadelos.
23. As peças que você destruiu ao acelerar demais viram troféus.
24. Você não consegue mais passar por algum lugar movimentado sem dar uma aceleradinha...
25. Você sempre confere no retrovisor se todo mundo ficou olhando quando vc fez barulho de turbo.
26. A troca de óleo do seu carro não é mais a cada 'x' mil quilômetros, mas a cada 'quebra'.
27. Você provoca no trânsito qualquer um que tenha um carro melhor do que o seu originalmente era.
28. De tanto ver seu carro ser montado e desmontado você já sabe tanto quanto os próprios mecânicos.
29. Todo mundo que tem carro turbo é seu 'chapa', até que um provoque o outro.
30. Um carro parado com o alerta ligado não está quebrado, mas intimando quem quiser acelerar.
31. Você estranha quando dirige outro carro e não tem que esperar 30 segundos pra desligar.
32. Você é conhecido como "o fulano do carro tal".
33. Ninguém te pergunta mais de onde você é ou o que faz da vida, mas apenas seu primeiro nome, quem preparou teu carro e o que ele tem debaixo do capô.
34. Você abaixa o som pra curtir melhor o ronco do motor e a descarga da turbina.
35. Você compra roupas e acessórios que combinem com a cor de seu carro.
36. Você se irrita quando alguém chama um carro turbo de turbinado ou vice-versa (OBS: Turbo é o original de fábrica, turbinado teve a turbina instalada posteriormente).
37. Siglas de competições de arrancada como STT, TTD-A e FLTD são respostas suficientes quando lhe perguntam "que carro vc tem?".
38. Muitos dos botões existentes no seu carro, se acionados indevidamente, resultam em quebra imediata do motor.
39. Quando a polícia te para, vc já sabe que a primeira coisa que ele vai pedir não são os documentos, mas para você abrir o capô.
40. Orgasmo e o som de pneus derretendo no asfalto quente são acontecimentos equivalentes
Essa é uma homenagem ao meu grande amigo Demétrio Coradi do "corsinha 21" que anda mais que notícia ruím! Um grande abraço!


domingo, setembro 06, 2009

CAMPEONATO GAÚCHO DE SOM AUTOMOTIVO TUNNING E REBAIXADOS

DIA: 27 de Setembro 2009

LOCAL: Parque de Eventos José e Rosalina Koheller-Tapera, RS

INFORMAÇÕES: 54 9925 6723 e 54 9166 8100 com Gerson

RETROSPÉCTO DO FIM DE SEMANA!

MOTO GP
Valentino Rossi venceu o GP de San Marino, em Misano, e colocou 30 pontos de vantagem sobre Jorge Lorenzo na classificação.
Correndo mais em casa do que nunca, em um circuito próximo de sua cidade natal, Tavullia, Valentino Rossi não deixou que as visitas comemorassem mais do que o anfitrião. Mesmo largando mal – o que já virou normal, no caso do italiano –, o líder do campeonato se recuperou, ganhou posições, voltou à ponta e venceu o GP de San Marino da MotoGP, em Misano, neste domingo (6).
SUPERLEAGUE FÓRMULA
Sébastien Bourdais vence a terceira bateria da rodada do Estoril com o Sevilla, disputada neste domingo (6).
O francês do Sevilla cruzou em primeiro na prova que reúne os seis melhores das duas corridas anteriores. A segunda posição ficou com o Olympiacos de Esteban Guerrieri, vencedor da prova 1, com Adrian Valles levando o Liverpool ao terceiro posto.
Bourdais começou lutando pelo terceiro lugar com Guerrieri, posição que não demorou para conquistar. Em seguida, o piloto aproveitou-se de um erro de Antonio Pizzonia (Corinthians), então líder, e Valles, segundo colocado, para assumir a liderança, trazendo consigo Guerrieri. Valles acabou em terceiro, com Yelmer Buurman (Anderlecht) em quarto.
Pizzonia caiu para o quinto posto, com Giorgio Pantano (Milan). fechando o grupo dos seis. Com a vitória, Bourdais levou o prêmio de €100 mil.
WTCC
Augusto Farfus venceu a segunda corrida da rodada de Oschersleben do WTCC, disputada neste domingo (6).
Augusto Farfus liderou a dobradinha da BMW na segunda corrida da etapa de Oschersleben do WTCC, disputada neste domingo (6). O brasileiro cruzou em primeiro, à frente do companheiro Andy Priaulx. O terceiro lugar ficou com Gabriele Tarquini.
Largando em terceiro, Farfus conseguiu superar Stefano D’Aste na curva 1 da segunda volta e, em seguida, ultrapassou Franz Engstler no mesmo ponto três giros depois para assumir a liderança. A partir daí, o brasileiro não foi mais ameaçado e liderou com tranquilidade.
F2
Mikhail Aleshin conquistou a vitória na segunda corrida da rodada de Oschersleben da F2, disputada neste domingo (6).
Mikhail Aleshin fez valer a pole-position e conquistou a vitória na prova 2 da rodada de Oschersleben da F2, disputada neste domingo. O russo perdeu a ponta momentaneamente na largada para Julien Jousse, mas conseguiu recuperá-la ainda na primeira volta. Andy Soucek ainda superou Jousse, assumindo o segundo lugar. O francês terminou em terceiro.
Robert Wickens aproveitou-se da má largada de Mirko Bortolotti para ficar em quarto. Nicola de Marco fechou em quinto, com Tobias Hegewald na sexta posição. O sétimo lugar ficou com Kazim Vasiliauskas, seguido de Edoardo Piscopo. Sebastian Hohenthal e Carlos Iaconelli fecharam o grupo dos dez primeiros.
Ainda na primeira volta, Philipp Eng sofreu um grave acidente, rodando e capotando várias vezes. Felizmente, o piloto escapou ileso.
DTM
Paul di Resta triunfou na etapa inglesa do DTM; Timo Scheider chegou logo atrás e aumentou sua vantagem na liderança do campeonato.
Paul di Resta conquistou sua primeira vitória na temporada 2009 do DTM na etapa de Brands Hatch, na Inglaterra, neste domingo (6). O britânico liderou por quase toda a corrida, mas seu domínio foi ameaçado por Timo Scheider no fim da prova, graças a duas interrupções.O piloto da Mercedes perdeu uma vantagem de 6s e teve de aguentar à pressão do rival da Audi, que precisava da vitória para aumentar ainda mais sua vantagem na liderança do campeonato. Ainda assim, Di Resta manteve-se calmo e segurou o primeiro lugar até a linha de chegada, seguido de Timo.Scheider terminou em segundo graças à ajuda de Martin Tomczyk, que era o vice-líder da etapa depois da janela para parada nos boxes. No entanto, deixou o companheiro de equipe passar para segurar Gary Paffett, da Mercedes, um dos principais rivais de Timo pelo título. A tática deu certo, e o inglês não saiu do quarto posto.Mattias Ekström, outro piloto com boas chances de conquistar o campeonato deste ano, fcou em quinto, nem à frente do sexto colocado, Bruno Spengler, que chegou a ficar entre os três primeiros, mas perdeu tempo no seu pit-stop. Mas o canadense pode ser punido por ter se envolvido no acidente que provocou a segunda entrada do safety-car na prova, quando Tom Kristensen bateu.Graças ao incidente com Kristensen, Mike Rockenfeller acabou em sétimo, à frente de Oliver Jarvis, que conquistou o ponto final disponível em Brands Hatch. Ralf Schumacher e Maro Engel ainda completaram a lista dos dez primeiros.Faltando três provas para o fim da temporada, Scheider lidera o DTM com 43 pontos. Ekström tem 38 e é o segundo, seguido de Paffett, 34 pontos. A próxima etapa da categoria de turismo alemã vai acontecer em Barcelona, na Espanha, no dia 20 de setembro.
RALI
Sébastien Loeb terminou em primeiro, mas foi punido por irregularidades no carro. Com isso, a vitória do Rali da Austrália ficou com Mikko Hirvonen.
Uma infração técnica impediu Sébastien Loeb de vencer o Rali da Austrália, que terminou neste domingo (6). O francês teve 1 minuto acrescido ao seu tempo final, caindo para segundo. Com isso, Mikko Hirvonen foi declarado vencedor, ampliando mais ainda a vantagem no campeonato para Loeb, a duas etapas do fim da temporada.
De acordo com o comunicado oficial, o Citröen de Loeb não estava com a barra anti-rolagem dianteira dentro dos padrões. Com isso, segue o jejum de vitórias do pentacampeão da categoria, que já dura quatro meses.
Dani Sordo e Sébastien Ogier, também pilotos da Citröen, levaram a mesma punição. Sordo conseguiu manter o terceiro lugar, mas Ogier caiu para quinto, com Jari-Matti Latvala subindo para o quarto posto.
O trio da Ford veio em seguida, com Matthew Wilson em sexto, Henning Solberg em sétimo e Federico Villagra em oitavo. Hayden Paddon e Martin Prokop fecharam os dez primeiros.
NASCAR
Kevin Harvick foi o vencedor da 26ª etapa da Nationwide Series, no Atlanta Motor Speedway. No final da prova o piloto da ultrapassou em definitivo o pole position Dale Earnhardt Jr Kyle Busch foi o segundo ultrapassando Earnhardt Jr que acabou em terceiro, tendo sido ultrapassado também por. Harvick liderou o maior numero de voltas e com o resultado, o piloto da Joe Gibbs Racing tem 221 pontos de vantagem para Carl Edwards, o sétimo colocado na corrida.Brad Keselowski, Jeff Burton e Joey Logano ficaram com a quarta, quinta e sexta colocações. Greg Biffle foi o oitavo, com David Ragan e Reed Sorenson completando o top ten.



FÓRMULA 1

MÁGOA OU INCOMPETÊNCIA MESMO!?Luca Badoer afirmou neste domingo (6) que a imprensa foi a grande responsável por sua saída da Ferrari.
Apesar do fraco desempenho apresentado nas duas corridas que fez pela Ferrari substituindo Felipe Massa, Luca Badoer afirmou neste domingo (6) que parte dos motivos que levaram a equipe italiana a trocá-lo por Giancarlo Fisichella foi culpa da cobertura da imprensa.

"Aqueles que escrevem não entendem quantos danos podem causar", declarou Badoer à imprensa italiana neste domingo (6). "A mídia teve um papel fundamental na decisão [da Ferrari] de me substituir", destacou.
Badoer acredita que se tivesse tido chance de disputar ao menos do GP da Itália, em Monza – pista que ele conhece muito bem –, certamente teria conseguido um resultado melhor. Contudo, o piloto se disse orgulhoso do tempo em que ficou como companheiro de Kimi Raikkonen. "Eu realizei meu sonho.”
"Eu sempre serei capaz de dizer a meus filhos que corri duas provas pela Ferrari. Maranello teve fé em mim. Eu só lamento, já que eu teria ido melhor a partir do terceiro GP”, acrescentou, afirmando em seguida que não houve acordo de quantas corridas iria disputar até o fim da temporada 2009.
Apesar da tristeza por não poder disputar sua corrida caseira, o veterano admitiu que Fisichella tem tudo para ir melhor do que ele. "Giancarlo é um piloto rápido", disse.
"Estou feliz por ele, já que ele alcançou o sonho de pilotar uma Ferrari e será melhor do que eu. Ele tem corrido na F1 por anos e conhece bem os carros de 2009”, analisou. "Ele vai ter que aprender a usar o KERS, mas isso é o de menos. Ele pode visar rapidamente resultados, caso contrário, me substituir não teria feito qualquer sentido", concluiu.
Fonte (GP)

sábado, setembro 05, 2009

CAMPEONATO DE SOM AUTOMOTIVO TUNNING E REBAIXADOS

DIA 27/09 APARTIR DAS 13:00HS NO PARQUE DE EXPOSIÇÕES JOSÉ E ROSALINA KOHELLER NA CIDADE DE TAPERA, MAIS UMA ETAPA DO CAMPEONATO GAÚCHO DE SOM AUTOMOTIVO TUNNING E REBAIXADOS, UMA PARCERIA DO GTA-GRUPO TAPERENSE DE AUTOMOBILISMO E FIFO AUTO SOM DE PASSO FUNDO. INSCRIÇÕES NO LOCAL. HAVERÁ MUITAS OUTRAS ATRAÇÕES DURANTE O EVENTO. COMPAREÇAM!

Informações: 54 9925 6723 e 9166 8100 Com Gerson

sexta-feira, setembro 04, 2009

CAMPEONATO DE SOM AUTOMOTIVO TUNNING E REBAIXADOS


DIA 27/09 APARTIR DAS 13:00HS NO PARQUE DE EXPOSIÇÕES JOSÉ E ROSALINA KOHELLER NA CIDADE DE TAPERA, MAIS UMA ETAPA DO CAMPEONATO GAÚCHO DE SOM AUTOMOTIVO TUNNING E REBAIXADOS, UMA PARCERIA DO GTA-GRUPO TAPERENSE DE AUTOMOBILISMO E FIFO AUTO SOM DE PASSO FUNDO. INSCRIÇÕES NO LOCAL. HAVERÁ MUITAS OUTRAS ATRAÇÕES DURANTE O EVENTO. COMPAREÇAM!
Informações: 54 9925 6723, com GERSON e 54 3315 6171 com FIFO

FÓRMULA 1

O mundo da F-1 é muito mais sujo do que faz imaginar a assepsia de seus boxes, os uniformes bonitos dos mecânicos, a cara lavada dos engenheiros e técnicos no pitwall. Foi-se a graxa dos velhos tempos, ficou a nojeira.

O episódio Renault-Briatore-Nelsinho de Cingapura é apenas mais um entre tantos que jogam lama no esporte. Não é preciso ir muito longe. O escândalo da espionagem envolvendo Ferrari e McLaren é bem recente. As mentiras de Hamilton na Austrália, também. Os ataques a Max Mosley através de vídeos e fotos sadomasô, mais um.Não que seja um privilégio da F-1, ser infestada por pulhas. O futebol é um antro de falta de caráter, de jogatina, de roubalheira, de corrupção. O atletismo abriga o que de pior existe na fabricação química e artificial de esportistas. O tênis vive sob suspeitas fortes de manipulação de resultados por apostadores. A natação virou uma disputa de maiôs, depois de ser manchada pelas falcatruas promovidas por treinadores e dirigentes do Leste Europeu.Não há santos no mundo.Tudo indica que houve algo realmente muito feio, condenável e absurdo na corrida noturna de Cingapura. Não fosse assim, a FIA não abriria uma investigação e não convocaria a Renault para se explicar junto ao Conselho Mundial. O silêncio da equipe, da montadora e das pessoas arroladas no caso é constrangedor.O que choca, no fundo, é constatar o tanto de gente capaz de se envolver nessas coisas achando que ninguém vai descobrir, numa era de comunicações monitoradas, conversas de rádio gravadas, câmeras espalhadas por todos os cantos.Briatore é um crápula, mas não é burro. Se fez o que se acha que fez, imaginava mesmo que ficaria impune? Nelsinho, se bateu de propósito, enterrou sua carreira — não importam as pressões que tenha sofrido. Quem vai confiar num piloto que faz uma coisa dessas? Seu pai, se sabia de tudo, é igualmente indefensável. Alonso, que pode até alegar inocência, também. Será que essas pessoas não pensam nas conseqüências de seus atos, na imagem jogada na lata de lixo, no quanto decepcionam milhões de fãs, torcedores, seguidores?O desfecho desse caso de Cingapura pode ajudar a depurar o ambiente. Mas não vai acabar com essa incrível tendência do ser humano de querer derrotar o outro usando meios ilícitos e obscuros. O que dói é saber que essas coisas acontecem no esporte, que deveria ser puro e lúdico, ar fresco num mundo contaminado pela iniquidade.Quanto mais conheço os homens, mais gosto dos carros.
Flavio Gomes do (GP)
Concordo plenamente com o autor!

quinta-feira, setembro 03, 2009

FÓRMULA 1

Fim da novela, Fisichella assina com Ferrari até fim da temporada 2009!

A Ferrari havia prometido o anúncio para seu novo piloto hoje às 15h30 no horário de Greenwich (11h30 em Brasília). Mas a Force India foi mais rápida e anunciou agora há pouco que liberou Giancarlo Fisichella para competir com a equipe italiana no restante da temporada, pondo fim à lista de especulações que apontavam Fernando Alonso e Robert Kubica para vaga de Luca Badoer no carro 3 da escuderia de Maranello, que, na verdade, pertence a Felipe Massa, que só voltará ao cock pit da Ferrari em 2010.
Fisichella, portanto, será o companheiro de Kimi Raikkonen já na etapa da Itália, em Monza, na próxima semana. No comunicado à imprensa, distribuído nesta quinta-feira (3), o time indiano revelou que as negociações começaram nas últimas 24 horas e que, de fato, a equipe de Vijay Mallya aceitou liberar o piloto.Ainda na nota, a escuderia afirmou que o piloto que vai substituir Fisichella será anunciado nos próximos dias, mas espera-se que Vitantonio Liuzzi, piloto de testes, assuma o posto.
Giancarlo Fisichella não disfarçou a animação em trocar a Force India pela Ferrari. O italiano destacou que sempre quis correr pela equipe de Maranello e agradeceu a Vijay Mallya por liberá-lo, no que chamou de ato "muito generoso"."Sou muito grato a Vijay por ele ter me concedido esta oportunidade de correr pela Ferrari. É verdade que sempre desejei isso, e ele ter permitido que isso se torne realidade é algo muito generoso", disse. Fisichella viu a permissão de saída por parte do time indiano como uma recompensa por seu trabalho. "Espero ter ajudado a Force India a crescer e a estar no caminho certo para atingir as suas próprias ambições. Agora, eles são uma equipe muito competitiva, e desejo-lhes as maiores felicidades."Segundo Mallya, dono do time indiano, não havia razão para impedir o acerto entre Fisico e sua nova equipe. "Giancarlo e seu empresário me abordaram ontem [quarta-feira] com a proposta da Ferrari. Para qualquer piloto italiano, um lugar na Ferrari é um sonho de longa data — e Giancarlo não é exceção. Ninguém deve ficar no meio do caminho", afirmou.
Fonte (GP)

FÓRMULA INDY

COM O APOIO DO GOVERNO DA BAHIA, E A SIMPATIA DE TERRY ANGSTADT, PRESIDENTE DA DIVISÃO COMERCIAL DA INDY, A ETAPA DE 2010 JÁ ESTA QUASE GARANTIDA PARA SER EM SALVADOR. A noite desta quarta-feira (2) parece ter sido proveitosa para que Salvador receba a Indy em 14 de março de 2010. No Centro Administrativo da Bahia, estiveram reunidos Jaques Wagner, governador do Estado, João Henrique Carneiro, prefeito da capital, e Terry Angstadt, presidente da divisão comercial da categoria. E os três saíram otimistas quanto à realização da prova.Angstadt afirmou ao Grande Prêmio que "Salvador é o lugar perfeito para a Indy" e disse ter certeza de que a cidade poderá cumprir todas as exigências da Indy Racing League. De acordo com o dirigente, faltam apenas pormenores para o acordo ser fechado; do encontro, saiu feliz. O norte-americano, entretanto, alertou que "o diabo mora nos detalhes", e por isso pediu cautela. Na mesa, estiveram presentes também Marcelo Meira, vice-presidente do Grupo Bandeirantes, Carlo Gancia e Willy Hermann, representantes da Indy no Brasil, além do secretário de Turismo da Bahia, Domingos Leonelli.
Wagner falou que, para dar o que chamou de "presente para Salvador" — a cidade comemora aniversário 15 dias após a data da prova —, precisa trabalhar "com mais velocidade do que os carros da Indy". O político disse que vai acionar o governo federal, de quem já recebeu apoio, e outros patrocinadores, para que o Estado não tenha de custear todo o valor para a realização da prova. João Henrique, por sua vez, disse que a chegada da categoria vai ajudar no turismo da capital e espera assegurar corridas da categoria "pelos próximos três, quatro, ou até cinco anos".Por fim, Gancia disse ao GP que as negociações estão avançando de maneira satisfatória, de modo que, segundo ele, pode-se acreditar que as partes estão "mais perto do gol".
Fonte (GP)
Opinião do autor:
É impressionante como a politica e os "cartolas" influenciam no esporte. Nada contra o Estado da Bahia, mas lembram do fiasco que foi a prova da Stock Car deste ano em Salvador? Dos problemas na pista durante os treinos e a própria prova, encobertos pela Globo, é claro!? Será que não haveria um lugar com mais estrutura, tanto em matéria de pista como de local para o público? É lamentável que a velha politica ainda mande nessas decisões, e não só no Brasil, no mundo todo é assim. É lamentável que a Band que é detentora dos direitos de transmissão da Indy, que na realidade não cumpre o papel de transmitir todas as provas da temporada ao vivo, perdendo com isso muitos patrocínios, assim como a Globo com referência a Stock Car que só transmite a prova se não tiver outra atração mesmo que isso contrarie a opinião dos telespectadores aficionados pelo automobilismo, mais especificamente pelas duas categorias, assim como os patrocinadores que não querem mais investir no esporte se não terão retorno nenhum; esteja compactuando com essa armação toda. Quem perde com isso é o fã da categoria que mais uma vez padeçe na frente da televisão, mendigando por uma transmissão das provas ao vivo na tv aberta; pois no Brasil a maioria da população não tem condições financeiras para dispor de tv por assinatura. Mas os governantes e os 'cartolas', estão preocupados com isso?? Vamos torcer para que desta vez haja bom senso!

quarta-feira, setembro 02, 2009

CAMPEONATO DE SOM AUTOMOTIVO TUNNING E REBAIXADOS


No próximo dia 27/09, o GTA juntamente com o FIFO Auto Som de Passo Fundo, estará promovendo na cidade de Tapera mais uma etapa do CAMPEONATO GAÚCHO DE SOM AUTOMOTIVO, TUNNING E REBAIXADOS. O local escolhido será no Parque de Exposições da cidade um local amplo e de fácil acesso para o público. Haverá premiação especial para o carro mais rebaixado e o maior pico de som. Já tem vários competidores do RS e SC confirmados. As inscrições serão no local do evento.
Informações: 54 9925 6723 e 9166 8100 com Gerson
ou 54 3315 6171 com Fifo

FÓRMULA 1

AS INVESTIGAÇÕES DA FIA SOBRE A POSSÍVEL "MARACUTAIA" NO GP DE CINGAPURA EM 2008 CONTINUAM.

A investigação que vem sendo conduzida pela FIA junto à Renault após receber a denúncia de que Nelsinho Piquet premeditou junto com Flavio Briatore seu acidente no GP de Cingapura do ano passado para favorecer Fernando Alonso não deve se limitar apenas ao que aconteceu na corrida noturna. Ao menos, é o que informa o jornal inglês "The Independent": de acordo com o diário, fontes de dentro da federação confirmaram que vários assuntos têm sido questionados, e com gente que convive e comanda inclusive as operações de fora da pista da escuderia.Na edição desta quarta-feira (2), o jornal falou com uma pessoa envolvida com as análises da entidade comandada por Max Mosley sobre o assunto, e a fonte confirmou que várias pessoas da Renault foram entrevistadas durante o final de semana do GP da Bélgica sobre diversos assuntos. "As entrevistas aconteceram durante todo o período em Spa-Francorchamps, e várias coisas que vão além do que houve em Cingapura devem ser investigadas", disse o representante da FIA.Segundo ele, o diretor-técnico Pat Symonds e Fernando Alonso foram alguns dos nomes que já passaram pela federação, entre outras pessoas envolvidas com o comando da equipe. Já o diário "The Daily Express", também de hoje, destaca que tanto Briatore quanto executivos da Renault foram entrevistados por advogados, com todos negando a informação sobre um acidente ordenado pelo time. Além disso, vários dados de telemetria e de transmissão de rádio foram levados pela FIA para ser examinados.O piloto Franck Montagny, que trabalhou com testes na escuderia e também guiou pela Renault, afirmou em entrevista a uma rádio que não acredita na veracidade do caso. "Quando alguém pede via rádio para deixar outro piloto passar, é algo muito chato, mas causar deliberadamente um acidente vai bem além disso. Estes rumores não passam de ficção científica, e nem em sonho Flavio teria pedido algo assim. Nunca ouvi falar sobre nada parecido na F1", completou.
Fonte(GP)

terça-feira, setembro 01, 2009

FÓRMULA 1

Ecclestone admitiu que teme decisão da escuderia francesa devido à investigação da FIA sobre o GP de Cingapura, e afirmou que Nelsinho Piquet dificilmente vai conseguir uma vaga na F1.

"Flavio está realmente chateado com essa história", afirmou Ecclestone em entrevista ao jornal "The Times". "E esse não é o tipo de coisa que precisamos neste momento. Há o perigo de eles deixarem o esporte — obviamente, não é o que eu espero, mas esse tipo de coisa pode acontecer", explicou. A investigação da FIA deve envolver a análise dos dados de telemetria do carro de Piquet e o conteúdo das gravaçoes de rádio feitas pela equipe ao longo da prova noturna que inaugurou o circuito em setembro do ano passado. Bernie garantiu que não sabe qual a resposta que será encontrada pelos dirigentes. "Tudo que eu sei é que Flavio insiste não ter nada a ver com o assunto. Acho que a FIA vai ver tudo para tentar encontrar a verdade. E acho que eles ficariam bastante decepcionados se descobrissem que o que está sendo dito realmente aconteceu."O inglês, entretanto, ressaltou que acha difícil provar algo desse gênero, e disse que a investigação pode ter sido provocada por Nelsinho — que, segundo ele, não tem mais clima para correr na F1. "Se foi apenas algo dito pelo jovem Piquet apenas por falar, é uma coisa. Mas, se houver alguma realidade nisso tudo, é diferente, apesar de difícil de provar. Se houver algo no rádio do gênero 'ah, Nelson, melhor você bater agora', então o que a Renault pode fazer? Vai depender do que for investigado", explicou."E Piquet é um jovem muito nervoso. Por isso, agora podemos dizer com segurança que ele está com problemas... você se perguntaria qual seria a próxima coisa que ele faria, não?", questionou Ecclestone ao encerrar a entrevista.
Fonte (GP)